Quem quer afastar Theresa May? Conservadores britânicos conspiram contra a própria primeira-ministra

Parte do partido quer a saída de Thera May mal o Brexit aconteça (em março de 2019). Um documento interno elenca os principais candidatos à sucessão, onde, em lugar de destaque, está o atual ministro para o Brexit, Dominic Raab.

Os conservadores britânicos resgataram um documento interno escrito em abril, no qual é descrito um plano para forçar a atual primeira-ministra, Theresa May, a renunciar imediatamente após o Brexit, em março de 2019. Além disso, o documento inclui uma lista que analisa os 27 possíveis sucessores de May, segundo o jornal The Telegraph, que teve acesso ao documento.

Os planos conservadores contra May não são de agora. Desde que, depois de substituir David Cameron, decidiu marcar eleições antecipadas e perdeu a maioria absoluta de que usufruía em troca por uma maioria simples que parte do partido não lhe perdoou o deslize político.

As conversações sobre o Brexit só vieram piorar o ambiente interno, com Theresa May a ter por várias vezes que puxar dos seus galões de presidente do partido para o obrigar a aceitar os pontos de vista do governo – o que, mesmo assim, não aconteceu sempre.

Finalmente, quando os ultraconservadores deixaram o governo (com o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros, Boris Johnson, à cabeça) os dias de Theresa May, que até aí já eram complicados, ficaram um pouco mais cinzentos.

E a União Europeia não ajudou: ao cortar a maioria do plano de May para uma saída limpa e com um acordo entre as partes, colocou a primeira-ministra nas mãos dos seus inimigos internos.

Nesta quinta-feira, o ex-ministro e deputado conservador Mike Penning, apoiante de May em 2016, quando substituiu Cameron, garantiu que o plano da primeira-ministra para o Brexit “está morto”, e demonstrou a sua convicção de que May nunca conseguirá aprová-lo no Parlamento por causa da sua rejeição no seio de um importante setor do partido.

Os deputados conservadores que lançaram o plano parecem estar dispostos a “convidar May a deixar o seu cargo” imediatamente após 29 de março de 2019, a data efetiva do Brexit. Há poucos dias, a BBC informava que um grupo de 50 deputados conservadores reuniram para discutir como e quando forçar a renúncia da primeira-ministra. Do que todos estão convencidos é que Theresa May não tem futuro na política no Reino Unido

O documento interno do Partido Conservador elenca uma lista de 27 candidatos a substituir May, da qual constam o atual ministro do Meio Ambiente, Michael Gove; David Davis, o ex-ministro Para o Brexit; Dominic Raab, que agora subst lidera as negociações com Bruxelas, depois de substituir Boris Johnson; o próprio Boris Johnson; o ministro da Educação, Damian Hinds; e os deputados Andrea Leadsom e Gavin Wil. Raab, diz o documento, é o mais bem posicionado para derrotar May.

Ler mais
Relacionadas

Theresa May diz que alternativa ao seu plano é um ‘Brexit’ sem acordo

“Creio que a alternativa [à aprovação do meu plano pelo Parlamento britânico] será que não teremos um acordo”, disse a primeira ministra britânica, numa entrevista à BBC.

Brexit: cenário de saída sem acordo fará Reino Unido cair num “vazio legal”, alerta porta-voz dos trabalhistas

Se até março de 2019 as negociações com Bruxelas para uma saída acordada fracassarem, o Partido Trabalhista considera que o Reino Unido corre muitos riscos.

Respostas rápidas: quais são os conselhos que o governo britânico está a dar para o Brexit?

Diz “improvável” uma saída sem acordo, mas, para o que der e vier, o governo britânico de Theresa May vai publicar uma série de conselhos sobre a eventualidade da saída dura. Com alguns setores a queixarem-se de que já vem tarde.
Recomendadas

“Ele soa como nós”. Ex-líder do Klu Klux Klan elogia Bolsonaro

“Ele é sem dúvida um descendente europeu. Parece-se com qualquer homem branco nos EUA, em Portugal, Espanha ou Alemanha e França”, qualificou o David Burke, ex-líder do Klu Klux Klan.

Dívida pública de Angola estimada em 70 mil milhões de dólares

Situação foi relatada hoje pela secretária de Estado para o Orçamento de Angola, Aia Eza da Silva, quando procedia a apresentação do Quadro Macroeconómico 2019 e os Limites da Despesa para Elaboração do Orçamento Geral do Estado (OGE) 2019.

Bolsonaro cresce nas intenções de voto, revela sondagem

Bolsonaro é o favorito à vitória na 2ª volta das eleições do Brasil. Francisco Haddad só leva a melhor entre os mais pobres e entre os eleitores do nordeste do Brasil. Brasileiros voltam às urnas dia 28.
Comentários