Quem quer afastar Theresa May? Conservadores britânicos conspiram contra a própria primeira-ministra

Parte do partido quer a saída de Thera May mal o Brexit aconteça (em março de 2019). Um documento interno elenca os principais candidatos à sucessão, onde, em lugar de destaque, está o atual ministro para o Brexit, Dominic Raab.

Os conservadores britânicos resgataram um documento interno escrito em abril, no qual é descrito um plano para forçar a atual primeira-ministra, Theresa May, a renunciar imediatamente após o Brexit, em março de 2019. Além disso, o documento inclui uma lista que analisa os 27 possíveis sucessores de May, segundo o jornal The Telegraph, que teve acesso ao documento.

Os planos conservadores contra May não são de agora. Desde que, depois de substituir David Cameron, decidiu marcar eleições antecipadas e perdeu a maioria absoluta de que usufruía em troca por uma maioria simples que parte do partido não lhe perdoou o deslize político.

As conversações sobre o Brexit só vieram piorar o ambiente interno, com Theresa May a ter por várias vezes que puxar dos seus galões de presidente do partido para o obrigar a aceitar os pontos de vista do governo – o que, mesmo assim, não aconteceu sempre.

Finalmente, quando os ultraconservadores deixaram o governo (com o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros, Boris Johnson, à cabeça) os dias de Theresa May, que até aí já eram complicados, ficaram um pouco mais cinzentos.

E a União Europeia não ajudou: ao cortar a maioria do plano de May para uma saída limpa e com um acordo entre as partes, colocou a primeira-ministra nas mãos dos seus inimigos internos.

Nesta quinta-feira, o ex-ministro e deputado conservador Mike Penning, apoiante de May em 2016, quando substituiu Cameron, garantiu que o plano da primeira-ministra para o Brexit “está morto”, e demonstrou a sua convicção de que May nunca conseguirá aprová-lo no Parlamento por causa da sua rejeição no seio de um importante setor do partido.

Os deputados conservadores que lançaram o plano parecem estar dispostos a “convidar May a deixar o seu cargo” imediatamente após 29 de março de 2019, a data efetiva do Brexit. Há poucos dias, a BBC informava que um grupo de 50 deputados conservadores reuniram para discutir como e quando forçar a renúncia da primeira-ministra. Do que todos estão convencidos é que Theresa May não tem futuro na política no Reino Unido

O documento interno do Partido Conservador elenca uma lista de 27 candidatos a substituir May, da qual constam o atual ministro do Meio Ambiente, Michael Gove; David Davis, o ex-ministro Para o Brexit; Dominic Raab, que agora subst lidera as negociações com Bruxelas, depois de substituir Boris Johnson; o próprio Boris Johnson; o ministro da Educação, Damian Hinds; e os deputados Andrea Leadsom e Gavin Wil. Raab, diz o documento, é o mais bem posicionado para derrotar May.

Ler mais
Relacionadas

Theresa May diz que alternativa ao seu plano é um ‘Brexit’ sem acordo

“Creio que a alternativa [à aprovação do meu plano pelo Parlamento britânico] será que não teremos um acordo”, disse a primeira ministra britânica, numa entrevista à BBC.

Brexit: cenário de saída sem acordo fará Reino Unido cair num “vazio legal”, alerta porta-voz dos trabalhistas

Se até março de 2019 as negociações com Bruxelas para uma saída acordada fracassarem, o Partido Trabalhista considera que o Reino Unido corre muitos riscos.

Respostas rápidas: quais são os conselhos que o governo britânico está a dar para o Brexit?

Diz “improvável” uma saída sem acordo, mas, para o que der e vier, o governo britânico de Theresa May vai publicar uma série de conselhos sobre a eventualidade da saída dura. Com alguns setores a queixarem-se de que já vem tarde.
Recomendadas

Movimento dos ‘coletes amarelos’ continua a diminuir com desorganização em Paris

O movimento dos “coletes amarelos” continua a perder fôlego, contando este sábado com cerca de 12.500 manifestantes em toda a França, segundo o Ministério do Interior, e 2.100 manifestantes em Paris, em pequenos desfiles dispersos pela capital.

Comissão política do ADI expulsa presidente eleito hoje em congresso em São Tomé

A comissão política do partido Ação Democrática Independente (ADI), na oposição em São Tomé e Príncipe, decidiu expulsar 14 militantes, incluindo Agostinho Fernandes, hoje eleito presidente do partido, por aclamação, num congresso que aquele órgão não reconhece.

Sismo de magnitude de 5,1 registado no Japão

Um abalo sísmico com uma magnitude de 5,1 na escala aberta de Richter foi hoje sentido na capital do Japão, Tóquio, não havendo informação sobre vítimas ou danos materiais elevados.
Comentários