Quintela e Penalva com vendas de 94 milhões no primeiro semestre

Imobiliária especializada na venda e arrendamento de imóveis de luxo registou 134 negócios. A área residencial, cujo valor médio por transação é de 70 milhões de euros representou 71% das transações.

A Quintela e Penalva – Real Estate obteve no primeiro semestre de 2018, 134 negócios, num valor total de 94 milhões de euros em volume de transação de vendas, referiu a imobiliária especializada na venda e arrendamento de imóveis de luxo, em comunicado.

O segmento imóvel particular (61%) teve melhor desempenho do que os empreendimentos (39%). Durante o primeiro semestre, o valor médio por m2 situou-se em 4.216 euros tendo-se verificado uma maior procura por T3. Uma tipologia que representou 22% do total das vendas, seguida pelos apartamentos T2 e T4, cuja procura correspondeu a 16% e 18%, respetivamente.

A área residencial, cujo valor médio por transação é de 70 milhões de euros foi um dos principais destaques, ao representar 71% das transações.

Francisco Quintela, um dos fundadores da empresa em 2004, juntamente com Carlos Penalva, afirma que “o ano de 2017 foi um ano fantástico, e este começo de 2018 não ficou atrás. Acreditamos que a presença dos investidores estrangeiros se irá manter nos tempos próximos, e que o mercado continuará com margem para crescer de uma forma sustentada”.

Recomendadas

OCDE quer maior facilidade nos processos de insolvência em Portugal

No relatório sobre a economia portuguesa, a OCDE explica que a rendibilidade da banca melhorou, mas continua baixa e que o crédito malparado tem vindo a diminuir, mas continua elevado. Facilitar a liquidação de empresas insolventes e reduzir as restrições à sua saída do mercado estão entre as recomendações.

Subida de taxas de juro do BCE terá impacto negativo para famílias e empresas, alerta OCDE

OCDE considera que normalização da política monetária por Frankfurt poderá ter um impacto negativo para as despesas das famílias e empresas portuguesas. Consolidação orçamental é para manter, diz, e aconselha limitar o acesso às reformas antecipadas.

OCDE recomenda que Portugal suba os impostos sobre o gasóleo

OCDE considera que existe margem para aumentar a fiscalidade ambiental e que “tarifários nacionais de algumas fontes de energia não refletem os custos ambientais associados à sua utilização”. Promoção de utilização de transportes públicos e novas soluções de transporte partilhados são também recomendadas.
Comentários