Quintela e Penalva com vendas de 94 milhões no primeiro semestre

Imobiliária especializada na venda e arrendamento de imóveis de luxo registou 134 negócios. A área residencial, cujo valor médio por transação é de 70 milhões de euros representou 71% das transações.

A Quintela e Penalva – Real Estate obteve no primeiro semestre de 2018, 134 negócios, num valor total de 94 milhões de euros em volume de transação de vendas, referiu a imobiliária especializada na venda e arrendamento de imóveis de luxo, em comunicado.

O segmento imóvel particular (61%) teve melhor desempenho do que os empreendimentos (39%). Durante o primeiro semestre, o valor médio por m2 situou-se em 4.216 euros tendo-se verificado uma maior procura por T3. Uma tipologia que representou 22% do total das vendas, seguida pelos apartamentos T2 e T4, cuja procura correspondeu a 16% e 18%, respetivamente.

A área residencial, cujo valor médio por transação é de 70 milhões de euros foi um dos principais destaques, ao representar 71% das transações.

Francisco Quintela, um dos fundadores da empresa em 2004, juntamente com Carlos Penalva, afirma que “o ano de 2017 foi um ano fantástico, e este começo de 2018 não ficou atrás. Acreditamos que a presença dos investidores estrangeiros se irá manter nos tempos próximos, e que o mercado continuará com margem para crescer de uma forma sustentada”.

Recomendadas

Costa sobre as negociações do Brexit: “Ninguém tem interesse em que não haja acordo”

Muitos dossiês foram desbloqueados e o que resta nesta “ponta final” das negociações é a questão da fronteira da Irlanda com a Irlanda do Norte, que admitiu ser “delicada e difícil”, esclareceu o primeiro-ministro sobre as negociações com Londres sobre a saída do Reino Unido da União Europeia

‘Guerra’ ao plástico. Garrafas, sacos e louça proibidos na administração pública

Conselho de Ministros aprovou a proibição na utilização de sacos, garrafas e louça de plástico.

Recessão de 2% este ano e recuperação em 2019: as previsões da CapitalEconomics para Angola

“A recuperação será mais fraca do que a maioria doa analistas espera”, dizem os analistas, sublinhando que “os preços baixos do petróleo, por exemplo, vão deprimir o poder de compra e forçar o governo a apertar a política orçamental”.
Comentários