Quotas para a pesca em 2018 são “globalmente positivas”, sublinham sindicatos

Acordo para os limites de capturas de pescado para 2018, hoje alcançado em Bruxelas pelos ministros das Pescas da União Europeia, “é globalmente positivo” para a Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores da Pesca.

Ler mais

“Consideramos positivo o aumento de quotas na raia, no lagostim e no tamboril e julgamos que poderiam ser aumentadas ainda”, afirmou o coordenador da Federação, Frederico Pereira, à agência Lusa, tendo considerado “globalmente positivo” o acordo conseguido.

“Em relação à raia, que tem importância para a pesca nacional e que tem sido muito castigada pela diminuição das quotas, é significativo este aumento das possibilidades de pesca”, acrescentou.

Em relação ao biqueirão, cujo Total Admissível de Capturas (TAC) vai manter-se, a Federação dos Sindicatos defendeu que “devia ser aumentado, porque é a espécie que tem salvado a pesca do Cerco, tendo em conta as quantidades deste pescado que se consegue pescar”.

A diminuição do TAC no carapau e na pescada “não é muito negativa pelo facto de que as embarcações não atingem a quota atribuída” e, no caso do carapau, “não tem a valorização que devia ter nas lotas”.

O acordo hoje alcançado pelos ministros das Pescas da União Europeia para os Totais Admissíveis de Capturas e quotas para 2018, após mais de 20 horas de negociação em Bruxelas, fixou a manutenção das quotas de pesca do biqueirão (onde havia uma proposta da redução de 20%) e um corte de 12% nas capturas de pescada em águas nacionais, abaixo dos 30% inicialmente propostos por Bruxelas, e de 24% no carapau.

As capturas de pescada em águas nacionais vão ter um corte de 12%, abaixo dos 30% inicialmente propostos por Bruxelas, e as capturas de carapau são reduzidas em 24%, sendo que em nenhuma das espécies a quota é atingida pelos pescadores portugueses.

Em águas nacionais vão aumentar em 2018 as possibilidades de pesca de raias (15%), lagostins (13%) e areeiros (19%), mantendo-se as quotas de julianas, solhas, linguados e tamboris.

Recomendadas
UTAO: dívida pública fixou-se em 125,8% do PIB no 2º trimestre
Dívida pública na ótica de Maastricht, a que conta para Bruxelas, atingiu 246,7 milhões de euros, o que corresponde a 125,8% do Produto Interno Bruto (PIB), contra 131,7% no final de junho de 2017.
Facebook está a contratar diretor para departamento de direitos humanos
Facebook tem uma vaga para o cargo de Director of Human Rights Policy.
“Maior renda alguma vez criada em Portugal foi a extensão dos CAE”, realça ex-presidente da EDP
João Talone, que foi presidente da EDP entre 2003 e 2006, está esta tarde a ser ouvido da comissão parlamentar de inquérito às rendas excessivas
Comentários