Raikkonen: a decisão da Ferrari que surpreendeu o mundo da F1

Piloto finlandês vai correr pela Sauber F1 Team entre 2019 e 2020. Para trás, deixa duas passagens pela Ferrari por quem ganhou o título de campeão do mundo em 2007.

“Adivinha quem voltou? Os próximos dois anos com a Sauber F1 Team! Que bom que é voltar onde tudo começou!”, foi assim que o antigo campeão do mundo de fórmula 1, Kimi Raikkonen, anunciou na sua conta do Instagram ter assinado contrato com a equipa que o trouxe para o mais alto nível do desporto automóvel.

Depois da Ferrari ter anunciado a contratação do talentoso francês Charles Leclerc, muito se especulou sobre o futuro do Ice man na F1. A escuderia italiana anunciou mesmo, via Twitter, que o piloto finlandês – e único piloto a dar-lhe um título mundial desde Schumacher – iria retirar-se da F1.

Raikkonen surpreendeu tudo e todos ao ter feito o anúncio através das redes sociais por ser considerado uma pessoa reservada dentro e fora das pistas. Os adeptos de F1 terão a oportunidade de ver Kimi regressar às pistas com as cores da equipa que o trouxe para o maior palco de automobilismo do mundo.

Kimi Raikkonen entrou na F1 em 2001, quando a escuderia Ferrari dominava o circuito com Schumacher ao volante. Mudou-se para a McLaren em 2002, onde esteve durante quatro épocas. Em 2007 ganha o título de campeão do mundo ao volante da Ferrari, onde permaneceu até 2009. Nos dois anos seguintes, Raikkonen saiu da F1 para experimentar outras competições motorizadas, como o World Rally Champioship e NASCAR. Em 2012 regressa às velocidades estonteantes da F1, ao volante de um Lotus, one permanece até 2013. Em 2014 volta à Ferrari.

Além de ter sido campeão mundial uma vez, Kimi Raikkonen fez a volta mais rápida de sempre na história da F1 durante a qualificação para o Grande Prémio de Itália, tendo feito o circuito de Monza em 1:19.119, a uma velocidade média de 263 km/h.

 

Ler mais
Recomendadas

Supertaça de Itália joga-se na Arábia Saudita. Mulheres só podem ir acompanhadas por homens

O encontro disputa-se esta quarta-feira e tem sido marcado por vários protestos de políticos italianos e ativistas dos direitos humanos. Mulheres ficarão isoladas numa bancada com visibilidade reduzida para o relvado.

Polícia identifica 15 jogadores de futebol vítimas de tráfico de seres humanos

As vítimas são jovens a quem foram prometidos contratos em clubes profissionais e que acabaram por ficar ao abandonom, segundo o Observatório do Tráfico de Seres Humanos.

Cuf patrocina Federação Portuguesa de Futebol até 2024

A Cuf é partir de hoje a novo parceiro oficial de saúde e performance das seleções nacionais de futebol da Federação Portuguesa de Futebol e, em simultâneo, patrocinador oficial do organismo. A rede de saúde do grupo Mello vai trabalhar diretamente com a Unidade de Saúde e Performance da FPF.
Comentários