Fitch tira Portugal do nível de ‘lixo’ e sobe dois escalões no ‘rating’

Tal como esperado, a Fitch seguiu os passos da Standard and Poor’s e subiu o ‘rating’ da República para grau de investimento. Das quatro principais agências de notação, a Fitch passou assim a atribuir a melhor classificação, justificando a subida principalmente com a tendência de queda da dívida.

Reinhard Krause/Reuters
Ler mais

Seis anos depois de ter atirado o país para o nível de ‘lixo’, a Fitch mudou a avaliação sobre Portugal, devido à esperada queda da dívida pública. A decisão era esperada, mas a agência de notação financeira subiu o rating da República em dois escalões, para BBB com outlook estável, mais do que o antecipado, segundo um relatório publicado esta sexta-feira.

“A avaliação da Fitch é que a trajetória está num caminho firme de descida e o declínio no rácio da dívida pública vai continuar a médio prazo. As dinâmicas favoráveis da dívida são conduzidas por uma combinação de medidas estruturais anteriores, recuperação recente cíclica e melhorias substanciais nas condições de financiamento”, refere o documento.

A agência estima que o rácio da dívida caia 3 pontos percentuais este ano, para menos de 127% do PIB e sublinha que será “a primeira descida desde a crise da dívida soberana”.

A agência salientou que a economia portuguesa está a atravessar uma forte recuperação cíclica desde meados de 2016 e que a perspetiva de curto prazo melhorou. A Fitch reviu em alta a previsão do crescimento do PIB para 2,6% em 2017 e 1,9% em 2018, sublinhando que “o desempenho forte do mercado de trabalho confirma a pujança da retoma”.

As condições de financiamento do país tornaram-se, segundo a Fitch, favoráveis nos últimos meses e a gestão da dívida “está ativamente a tirar vantagem para assegurar condições benignas durante um período mais alargado”.

Em relação ao défice orçamental, a projeção da Fitch é que este permaneça inalterado em 1,4% do PIB em 2018, antes de descer ligeiramente para 1,2% em 2019. “Embora esta projeção de défice não cumpra de forma total o objetivo a médio prazo do pacto de estabilidade e crescimento, abre caminho para uma descida sólida da dívida pública a médio prazo pois o excedente primário deverá estabilizar perto de 2,5% do PIB”, explica.

A recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e do BCP, bem como a venda do Novo Banco, que eram apontados como fatores potencialmente de risco, “ajudaram a mitigar perdas contingentes e riscos à estabilidade financeira”, segundo a agência. Alertou, no entanto, que o rácio elevado de crédito malparado “continua a ser um risco e um constrangimento potencial para o crescimento de médio prazo”.

Além da dívida, a Fitch identifica como relevante também o quinto excedente consecutivo da conta corrente este ano. “Apesar de a dívida externa próxima de 90% continuar elevada comparativamente aos pares BBB, a alavancagem externa continua a progredir a um ritmo gradual”, acrescenta.

Depois da divulgação do relatório, o ministério das Finanças salienta que subida de rating em dois escalões é inédita. “A decisão da Fitch, que se junta às da Standard and Poor’s e DBRS, coloca a dívida soberana firmemente classificada em grau de investimento”, afirmou o ministério liderado por Mário Centeno.

“A avaliação positiva alarga a base de investidores na dívida da República Portuguesa e vai permitir a entrada da dívida em mais índices de dívida soberana. Mas além de favorecer as condições de financiamento da República, esta avaliação favorece também as condições de financiamento das famílias e das empresas portuguesas”, acrescentou.

Além da Fitch, também a Moody’s e a Standard and Poor’s atiraram Portugal para o nível de ‘lixo’ durante a crise. A canadiana DBRS foi a única das quatro principais agências a atribuir grau de investimento a Portugal.

Desde então, a saída do procedimento por défice excessivo, o crescimento económico impulsionado pelo momento favorável global e a estabilidade política justificaram maior otimismo. A primeira a fazer o upgrade e colocar a República em nível de investimento foi a S&P, em setembro, que fez recuar as taxas da dívida portuguesa nos mercados.

As yields da dívida soberana portuguesa no mercado secundário iniciaram o ano a subir, mas têm vindo a descer com o reforço da confiança dos investidores. A taxa das obrigações benchmark, ou seja a 10 anos, ultrapassou os 4% em janeiro, mas negocia agora abaixo de 1,8%, tendo tocado, esta sexta-feira, valores abaixo dos das yields italianas pela primeira vez em oito anos.

Depois desta decisão da Fitch, fica a faltar apenas a Moody’s, que manteve o rating em setembro e ainda não divulgou quando fará a revisão em 2018.

[Notícia atualizada às 21h52]

Recomendadas

Trump sobre Maduro: poderia ser “rapidamente derrubado” pelo exército venezuelano

Trump, que hoje interveio no primeiro dia do Debate Geral na 73.ª sessão da Assembleia-Geral da ONU, declarou esta terça-feira que a situação na Venezuela é “um caso triste” que deseja “ver resolvido”.

“Querem atacar-me, ataquem-me a mim”. Maduro critica Departamento do Tesouro norte-americano

O primeiro mandatário venezuelano reagia ao anúncio de hoje, de novas sanções do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos da América (EUA) contra quatro pessoas do seu Governo, entre elas Cília Adela Flores de Maduro.

Ex-primeiro francês quer ser presidente da câmara municipal de Barcelona

“Quero ser o próximo presidente de câmara de Barcelona“, disse Manuel Vals, em catalão, numa cerimónia pública no Centro de Cultura Contemporânea da capital da Catalunha, colocando fim a vários meses de dúvida em relação às suas intenções de regressar à cidade em que nasceu há 56 anos.
Comentários