Razia. Moody’s prevê descer rating a mais de 30 países em 2017

A agência de notação financeira prepara-se para cortar o rating a mais de três dezenas países no novo ano. Assim, 26% dos países analisados vão ver o seu rating descer.

No relatório sobre a Perspetiva Global do Crédito Soberano para o próximo ano, hoje divulgado, a Moody’s diz que “a previsão de evolução [‘Outlook’, no original em inglês] dos ratings é negativa” devido à conjugação de vários fatores, entre os quais estão uma política orçamental expansionista que vai aumentar o já endividado setor público, aumento dos riscos políticos e geopolíticos e um contínuo crescimento económico baixo”.

O relatório revela que, a nível global, a Moody’s prevê rever em baixa 26% do crédito soberano avaliado em 134 países, ou seja, mais de 30 países, uma percentagem que está ao nível mais baixo desde o final de 2012, e que compara com os 17% de há um ano.

“A percentagem de países com uma Perspetiva de Evolução Estável caiu de 75%, no ano passado, para 65%, enquanto 9% têm um ‘Outlook’ positivo, semelhante aos 8% do ano passado”, lê-se no relatório enviado aos investidores.

Recomendadas

Ligações fluviais entre Barreiro e Lisboa não estão asseguradas na manhã e início da tarde deste sábado

Entre as 7h25 e as 14h55, no sentido entre o Barreiro e Lisboa, e entre as 7h55 e às 15h25, no sentido contrário, as ligações não estão asseguradas, estando os horários “sujeitos a confirmação”, diz Soflusa em comunicado.

Irão anuncia captura de petroleiro britânico

Esta situação acontece no mesmo dia em Gibraltar estendeu por trinta dias o período de retenção do petroleiro iraniano Grace 1, retido há quase duas semanas neste território por suspeitas transporte de crude para a Síria.

Azeredo Lopes sabia desde o início do “encobrimento”, diz despacho do MP sobre Tancos

Segundo o despacho do MP, os procuradores do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) sustentam que, em agosto de 2017, dois meses antes do “achamento”, Azeredo Lopes teve uma reunião no Ministério da Defesa com o ex-diretor da Polícia Judiciária Militar, Luís Vieira, na qual foi informado – e deu o aval – do plano para a recuperação do material.
Comentários