“Rei das Obrigações” continua em queda. Fundo de Bill Gross já vale menos de mil milhões

Os investidores continuam a retirar dinheiro do fundo gerido pelo milionário. Há 10 meses que o valor dos ativos está consecutivamente a descer.

Lucy Nicholson/Reuters

Bill Gross, de 74 anos, já esteve responsável por um bilião de dólares em dinheiro de outras pessoas – ou não fosse ele o “rei das obrigações”, nome pelo qual ficou conhecido em Wall Street. Em setembro de 2014 abandonou a Pacific Investment Management (Pimco), a gestora de ativos que fundou, para se juntar à Janus. Entretanto, o Janus Capital Group e o Henderson Group uniram-se para formar o Janus Henderson Group Plc, criando um player de investimento global.

Segundo uma notícia avançada pela Bloomberg, o fundo gerido por Gross na Janus Henderson registou uma queda de 60 milhões de dólares em Dezembro. Os ativos sob gestão cifram-se agora em 950,4 milhões de dólares (em fevereiro do ano passado o valor era de 2,24 mil milhões). Conhecido como “Bond King”, pelos sucessos que conseguiu através dos investimentos que fez em dívida soberana, Gross dificilmente atingirá o mesmo sucesso. O ano passado afirmou que os mercados financeiros funcionam como se fossem um “casino como os existentes em Las Vegas ou em Monte Carlo”.

Recentemente, na cimeira Bloomberg Invest New York, alertou para os perigos dos mercados financeiros, semelhantes aos da crise financeira de 2008. “Em vez de comprar baixo e vender a preço alto, você está a comprar alto e a cruzar os dedos”.

O milionário argumentou, no seu mais recente estudo de investimento, que as políticas de estímulos seguidas pelas diversas autoridades monetárias fizeram com que “os nossos mercados financeiros se tenham tornado num casino de Vegas/Macau/Monte Carlo”.Gross explicou que nestes casinos se está a “apostar” que a “oferta ilimitada de crédito gerada pelos bancos centrais pode reanimar com sucesso a economia global e revigorar o crescimento nominal do PIB para valores mais baixos mas ainda assim aceitáveis neste altamente alavancado mundo”.

A rotina de Gross passa por acordar às 4h30, chegar ao escritório uma hora mais tarde para começar as negociações. Às 8h30 tem uma aula de ioga, uma prática desportiva muito recomendada para o relaxamento e a meditação.

Foi aliás durante uma sessão de ioga que Gross teve a ideia, há alguns anos, de enviar analistas de todo o país para se fazerem passar por compradores de casas e assim perceber se valia a pena ou não investir no mercado imobiliário. O seu património é de 1,5 mil milhões de dólares, segundo a revista Forbes.

Ler mais
Relacionadas

Bill Gross: “Rei das Obrigações” continua longe da glória

Em setembro de 2014, o então conhecido “Rei das Obrigações” perdia a coroa. Nesse ano, Bill Gross abandonou a Pimco, a gestora de ativos que fundou nos anos noventa. Hoje, gere um fundo de obrigações na Janus Global e atravessa novas dificuldades.
Recomendadas

Paciência esgotada? Fed deverá abrir hoje a porta para corte da taxa de juro

Debaixo de pressão intensa de Trump e da guerra comercial, Jerome Powell deverá manter as taxas inalteradas, mas vai aproveitar a reunião que termina esta quarta-feira para sinalizar um corte na ‘federal funds rates’ em julho ou em setembro, segundo os analistas. A projeção para a inflação deverá ser revista em baixa.

Apesar da ira de Trump, Sintra não foi palco de ‘guerra cambial’ entre Europa e EUA

Primeiro dia do Fórum do Banco Central Europeu (BCE), em Sintra, ficou marcado pela troca de palavras entre Donald Trump e Mario Draghi. “Não visámos as taxas de câmbio”, disse o presidente do BCE, em resposta à crítica do presidente norte-americano sobre o impacto de possíveis cortes adicionais da taxa de juros na zona euro.

Ásia e sustentabilidade: as lentes dos investidores em 2030, segundo a Allianz Global Investors

O “Investment Fórum 2019” da gestora de investimentos do grupo alemão Allianz, que se realizou em Frankfurt, concluiu ainda que a probabilidade de a guerra comercial continuar é significativa.
Comentários