Reino Unido admite período de transição mais longo após-Brexit

“Uma ideia que surgiu – e neste momento é uma ideia – foi criar uma opção para estender o período de implementação por alguns meses. Seria apenas uma questão de uns meses”, afirmou a governante aos jornalistas presentes na cimeira de líderes europeus, que está a decorrer em Bruxelas.

Reuters

O governo britânico considerou esta quinta-feira negociar a extensão do período de transição depois de o Reino Unido sair da União Europeia. O casamento entre Londres e o bloco europeu termina em maio do próximo ano, mas os planos entre as partes estipulam uma fase transitória até 2020.

Ainda que o Reino Unido não pretenda utilizar esse tempo extra, Theresa May confessou esta manhã que 2021 seria a data desejável, de acordo com a informação que foi sendo veiculada pela imprensa internacional ao longo da manhã.

“Uma ideia que surgiu – e neste momento é uma ideia – foi criar uma opção para estender o período de implementação por alguns meses. Seria apenas uma questão de uns meses”, afirmou a governante aos jornalistas presentes na cimeira de líderes europeus, que está a decorrer em Bruxelas.

Contudo, o objetivo da primeira ministra britânica é que esse mecanismo – que faria com que as empresas do Reino Unido, após o Brexit, ainda se pudessem adaptar à saída até 2021 – não tenha “que ser usado”. “Estou certa de que espero que o período de implementação termine no final de dezembro de 2020”, sublinhou.

Já o ministro britânico David Lidington disse que ainda era muito cedo para estimar o custo de prorrogar o período de transição do Brexit, depois de o executivo ter indicado que estaria a considerar pedir a suspensão do impasse nas negociações com a comunidade única.

Recomendadas

Uber pode comprar rival saudita Careem Networks por 2,6 mil milhões de euros

A Uber quer entrar em bolsa com uma valorização de 106 mil milhões de euros e isso inclui a aquisição da saudita Careem Networks, por 2,6 mil milhões de euros.

Venezuela: dois aviões russos com 100 soldados aterram no aeroporto de Caracas

As ligações entre Moscovo e a Venezuela ficaram mais fortalecidas nos últimos meses, após o agravamento das relações entre os EUA e a Venezuela. Em dezembro, a Rússia enviou dois aviões da força aérea como parte de um exercício militar.

Theresa May tenta sobreviver ao caos que se instalou no seu próprio governo

A política britânica parece ter-se transformado numa sucessão de conspirações ou de teorias sobre elas, num quadro em que ninguém acredita que a primeira-ministra tenha condições para levar à Câmara dos Comuns um qualquer documento que possa ser aceite pela maioria.
Comentários