Reino Unido pondera acordo com NAFTA se o acordo para o pós-Brexit falhar

Reino Unido estuda alternativas num cenário de ‘não-acordo’ com a União Europeia no pós-Brexit. NAFTA poderá ser uma opção.

Reuters

O Reino Unido poderá avançar para uma aliança de comércio com os EUA, Canada e México, se o acordo para o pós-Brexit com a União Europeia não chegar a bom porto nos termos propostos pelos britânicos, noticia o The Telegraph.

O Reino Unido e Bruxelas estão a negociar os termos da saída do país do projeto europeu, mas o Governo de Theresa May tem assinalado querer fechar as linhas gerais do acordo do pós-Brexit. Contudo, os governantes britânicos estarão a considerar outros cenários e um acordo com a NAFTA (North American Free Trade Agreement) está em cima da mesa.

Os três países – EUA, Canada e México –  têm um Produto Interno Bruto (PIB) combinado de 17,2 biliões de libras, em comparação com o PIB da UE de 15,7 biliões de libras, recorda o jornal britânico, sublinhando que permitiria ao Reino Unido aumentar o potencial de exportações e importações.

O cenário não é, no entanto, pacífico até porque o presidente norte-americano, Donald Trump, já sinalizou que poderá terminar o acordo com a NAFTA, porque considera que não é vantajoso para os EUA.

Recomendadas

Não acordo no Brexit terá um impacto “relativamente pequeno” no mercado de trabalho alemão

Cerca de 41.000 britânicos estavam empregados na Alemanha em dezembro de 2017, um número que é “insignificante para o mercado de trabalho em geral”, revelou o governo de Angela Merkel ao “Der Spiegel”, em resposta ao partido de extrema-esquerda.

China diz que os EUA “não têm o direito” de interferir na cooperação militar da Rússia

A decisão da China de comprar caças e sistemas de mísseis da Rússia é um “ato normal de cooperação entre países soberanos e os Estados Unidos não tem o direito de interferir”, afirmou o porta-voz do ministério da Defesa, Wu Qian.

China cancela negociações comerciais e não vai deslocar-se até Washington

Pequim tinha preparado uma delegação para se deslocar à capital dos EUA na próxima semana, revelaram fontes próximas à “Bloomberg. O “Wall Street Journal” também já havia dado conta que a China tinha posto de lado a ideia de enviar o vice-primeiro-ministro Liu He, integrado na delegação.
Comentários