PremiumBrexit: Reino Unido prestes a entrar em “território desconhecido”

Já ninguém acredita que o Brexit deixe de passar por uma saída sem acordo. A Câmara dos Comuns prepara-se para rasgar o texto de Theresa May.

Foi a primeira-ministra britânica, Theresa May, que lhe chamou “território desconhecido”: o caminho sem ‘road book’ para onde se dirigirá o país se o acordo do Brexit conseguido ao fim dois longos anos de debate com a União Europeia não merecer a confiança de uma maioria da Câmara dos Comuns.

A três dias (úteis) da votação final, a 15 de janeiro, ninguém arrisca conceder qualquer hipótese ao ‘sim’ ao acordo. “Todos os sinais são negativos, não há condições para que a votação seja favorável a Theresa May”, diz o embaixador e comentador político Francisco Seixas da Costa em declarações ao Jornal Económico.

“Neste momento, está tudo preparado para um não-acordo”, refere, apesar dos esforços de Theresa May para convencer o líder da oposição, o trabalhista Jeremy Corbyn, de que um acordo, qualquer que seja, é um caminho mais confortável para a economia e a sociedade britânicas.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumMadeira Wine Company mergulha na ciência para aprimorar Vinho da Madeira

Desenvolvimento de estudos científicos permitiu dar um salto qualitativo em termos da produção do Vinho da Madeira, diz Francisco Albuquerque, diretor de vinhos da Madeira Wine Company.

PremiumJaponeses da Marubeni querem assumir 100% da AGS

Grupo nipónico quer comprar à INCJ os 50% que não detém na gestora de concessões de abastecimento de águas e de tratamento de águas residuais.

PremiumCredores ameaçam tomar controlo da Brisal

Credores exigem 326 milhões à Brisal e uma redução do ‘fee’ anual de 12 milhões que a Brisa recebe pela manutenção da A17. Estado terá de validar ‘step in’. Brisa rejeita estratégia dos fundos – que pretendem retorno de 269% – e quer acordo que garanta viabilidade económica da concessão.
Comentários