Reitores promovem convenção para preparar próxima década do ensino superior

O Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) anunciou a organização em 2019 de uma convenção que tem como objetivo ultrapassar “uma década de estagnação” e construir uma “nova agenda” para 2020-2030 que fortaleça o ensino superior.

A “Convenção do Ensino Superior 20/30” vai ser promovida pelas 15 universidades que integram o CRUP, arranca a 7 de janeiro, em Lisboa, e quer preparar uma agenda que ajude a “aumentar e diversificar estudantes, pensar o acesso, alargar a ação social, fomentar a ligação entre o ensino e a investigação, melhorar a articulação com sociedade”.

“É tempo de preparar uma visão estratégica para a próxima década e as universidades sentem-se na obrigação de lançar a discussão sobre o futuro”, afirmou hoje, em comunicado, António Fontainhas Fernandes, presidente do CRUP e reitor da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD).

A sessão inaugural contará com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e realizar-se-á no Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE).

A iniciativa tem como objetivo central “delinear estratégias para aumentar o número de estudantes do ensino superior visando cumprir a meta europeia de qualificação da população portuguesa”.

A segunda sessão será organizada pelas universidades da região Centro e terá lugar na Universidade de Aveiro, em março, sendo dedicada à articulação do ensino com a investigação.

A terceira convenção, em abril, será organizada pelas universidades do Norte e decorrerá no Porto, tendo como tema “a valorização do conhecimento” e a aproximação “dos sistemas académicos e científicos ao tecido produtivo, à administração pública e aos agentes culturais”.

Segundo Fontainhas Fernandes, o ensino superior em Portugal estagnou depois de reformas importantes em 2007-2009 com a entrada em vigor de Bolonha e o novo Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior (RJIES).

“O número de alunos não aumentou e os níveis de qualificação continuam distantes da média europeia” afirmou Fontainhas Fernandes.

Segundo dados do CRUP, mais de 60% dos jovens não entra no ensino superior, uns porque têm dificuldades económicas, outros porque acham que não compensa, outros porque não encontram respostas às suas expectativas.

O reitor acrescentou que “há gerações e gerações de jovens que todos os anos ficam fora do ensino superior, fazendo com que as qualificações dos portugueses continuem, agora e no futuro, muito longe dos níveis dos países desenvolvidos”.

Para o responsável, “o caminho para ultrapassar a estagnação parece claro”.

“Aumentar a qualificação do país exige reforçar as políticas de ação social e dar resposta a problemas atuais, como o do alojamento”, sustentou o presidente do CRUP.

E, na sua opinião, “um mundo em mudança exige também inovação na oferta educativa, pensar em novas formações e em novos métodos de ensino e de aprendizagem”.

A retenção de talentos é outra das preocupações dos reitores. “O país não pode continuar a dispensar os seus melhores quadros e a perder a massa cinzenta”, salientou Fontainhas Fernandes.

Para os reitores é “urgente pensar uma nova estratégia de modernização das universidades que permita requalificar e capacitar o seu património, quer ao nível dos espaços letivos, quer do parque científico”.

O anterior quadro de verbas europeias previa apenas a construção de instalações, mas não a sua requalificação e modernização e, para o presidente do CRUP, “na era da revolução digital não se pode ensinar e investigar em espaços pensados à luz do passado”.

O responsável disse ainda que é preciso que as universidades ultrapassem “o impasse em que se encontram”.

“A falta de articulação entre a atividade docente e a carreira científica tem de ser ultrapassada! Nós, os reitores, devemos promover a discussão dos estatutos das carreiras docentes e científicas, estes dois mundos devem articular-se mais, criar mais pontes entre si, o trabalho de ambos tem de ter mais conexões”, afirmou o reitor da UTAD.

As universidades, para Fontainhas Fernandes, “devem ser o local por excelência da investigação”.

O primeiro-ministro, António Costa, e o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior vão receber o CRUP na sexta-feira, tendo na agenda da reunião a convenção.

O CRUP representa as 14 universidades públicas e a Universidade Católica.

Ler mais
Recomendadas

Mais de 300 milhões têm problemas de saúde mental nas empresas

Setor empresarial perde 246 mil milhões de dólares anuais em consequência do problema, revela estudo da Michael Page.

Exames nacionais. 77 mil alunos fazem prova de Português esta terça-feira

A primeira fase dos exames nacionais do ensino secundário arrancou esta segunda-feira com a disciplina de Filosofia e termina a 27 de junho, envolvendo um total de 260 mil alunos. Amanhã será o dia que mobilizará mais estudantes às salas de prova.

Portugal tem a terceira menor taxa de vagas de emprego na zona euro

Taxa de vagas de emprego na zona euro fixou-se nos 2,3% nos primeiros três meses do ano, mantendo-se estável face ao trimestre anterior, segundo dados do Eurostat.
Comentários