Renováveis pouparam 1,4 milhões em importações de combustíveis fósseis em 2018

Renováveis reduzem emissões de 6 milhões de toneladas de CO2 e poupam 1,3 mil milhões de euros de importações de combustíveis fósseis. Apesar disso, a estagnação da produção solar e o aumento do consumo de eletricidade sem eficiência energética são preocupantes para os ambientalistas.

Em março de 2018 a produção renovável foi suficiente para satisfazer o consumo total de eletricidade em Portugal Continental, com especial contribuição das tecnologias eólica e hídrica. Em termos médios, 2018 foi marcado por uma incorporação renovável no consumo elétrico de 55,1%, o que corresponde a um aumento de 28% face a 2017. Os dados são apresentados pela Associação de Energias Renováveis (APREN) e a ambientalista Zero, em comunicado.

Este facto advém duma maior produtividade das grandes hídricas que foi mais do dobro que em 2017, representando 24,1% do consumo.

A tecnologia eólica representou uma produção de 12,3TWh, correspondentes a 24,3% do consumo, o que a tornou, pela primeira vez, a maior fonte de eletricidade em Portugal Continental.

Para ler o artigo completo no Greensavers carregue aqui.

Relacionadas

Energias renováveis abasteceram mais de metade da eletricidade em 2018

Portugal registou em 2018 um saldo exportador positivo na eletricidade pelo terceiro ano consecutivo. Tanto o consumo nacional de electricidade como o de gás natural atingiram o segundo valor mais elevado de sempre no ano passado.
Recomendadas

Quercus denuncia à UNESCO “ameaça severa” no Barroso por causa do lítio

Para a associação ambientalista, a instalação de minas de lítio a céu aberto na região é uma ameaça severa à integridade do sistema agro-silvo-pastoril da região do Barroso”.

Contra as alterações climáticas e em defesa do planeta. António Guterres é capa da “Time”

De fato e com água até aos joelhos, António Guterres é capa da revista norte-americana Time. A edição dedicada à luta contra as alterações climáticas chega às bancas na próxima semana.

Mudanças climáticas do passado são fundamentais para o futuro do planeta

As mudanças climáticas do passado são fundamentais para compreender o clima no presente e futuro próximo do nosso planeta, defendem investigadores da Universidade de Coimbra, organizadores de um encontro internacional sobre o tema.
Comentários