Repsol desenvolve três projetos renováveis de 800 megawatts

Com estes projetos, aos quais se juntam os da Valdesolar (Badajoz) e WindFloat (Portugal) a Repsol estende os seus ativos correntes para 2.952 megawatts e atingirá 90% do seu objetivo estratégico de baixa capacidade de geração de emissões, estimado em cerca de 4.500 megawatts em 2025.

A Repsol vai desenvolver três novos projetos renováveis, dois eólicos e um solar, com capacidade de 800 megawatts, no âmbito do seu compromisso com uma transição energética eficiente e sustentável, naquele que de acordo com a empresa “será mais um passo significativo no seu objetivo estratégico de, enquanto operadora, impulsionar um negócio de baixa emissão com grande potencial de crescimento orgânico rentável”.

Os dois projetos eólicos vão ficar localizados entre as províncias de Zaragoza e Teruel, e entre Palencia e Valladolid, e o parque fotovoltaico em Cádiz, que vai ser desenvolvido e colocado em operação nos próximos quatro anos. Este parque terá uma capacidade instalada de 794 megawatts, o equivalente ao fornecimento de eletricidade de cerca de 650 mil habitações por ano.

Com estes projetos, aos quais se juntam os da Valdesolar (Badajoz) e WindFloat (Portugal) a Repsol estende os seus ativos correntes para 2.952 megawatts e atingirá 90% do seu objetivo estratégico de baixa capacidade de geração de emissões, estimado em cerca de 4.500 megawatts em 2025.

A Repsol já havia anunciado a 19 de outubro do ano passado a sua participação na construção de um dos maiores parques eólicos flutuantes do mundo, na costa norte de Portugal, a 20 km de Viana do Castelo, e que terá uma capacidade instalada de 25 megawatts.

A Repsol contempla, nos investimentos da sua estratégia para 2020, os negócios de baixa emissão com 2.500 milhões de euros e tem como objetivo atingir os 2,5 milhões de clientes de retalho de eletricidade e gás em Espanha até 2025, com uma participação de mercado de mais de 5%.

Recomendadas

Navigator nomeia dois novos administradores executivos

João Paulo Cabete Lé e Adriano Agusto Silveira são os novos administradores executivos no mandato do quadriénio em curso, com efeitos a 1 de Janeiro de 2020.

Jorge Calvete é o administrador judicial da Orey Antunes que pediu um PER

O prazo para a reclamação de créditos, começa a correr a partir da data da publicação do anúncio no Portal Citius, ou seja, 10 de dezembro de 2019. Os prazos são contínuos, não se suspendendo durante as férias judiciais.

Bankinter e COSEC assinam protocolo de distribuição de seguro de créditos

O objetivo é permitir às empresas a gestão do risco de crédito em condições mais seguras, cobrindo os prejuízos decorrentes do não pagamento das vendas a crédito de bens e serviços em Portugal e no estrangeiro.
Comentários