Respostas rápidas: É cliente CGD? Saiba tudo o que vai mudar

Nos próximos meses, os clientes da Caixa Geral de Depósitos vão sentir alterações nas comissões. Clientes com cadernetas e Cartão Megajovem podem ter de pagar mais, mas novos créditos poderão ser beneficiados. Veja as principais mudanças nos preçários, divulgadas pelo banco.

Rafael Marchante/Reuters
Ler mais
  • Fim da isenção para jovens

Até aqui, clientes entre os 26 e os 29 anos titulares do Megacartão Jovem estavam isentos do pagamento de comissões. A partir de dia 1 de maio vão pagar 4,95 euros por mês. A esse valor acresce a anuidade, que sobe para 14 euros.

  • Levantamentos com caderneta pagos

Os levantamentos realizados ao balcão com apresentação de caderneta continuam a ser possíveis, mas é necessário pagar um euro. Ficam de fora alguns clientes, incluindo quem tiver manifesta incapacidade de utilizar dispositivos automáticos.

  • Prestações do crédito automóvel e ao consumo

Tanto os clientes com crédito pessoal ao consumo como os clientes com crédito automóvel vão passar a pagar 2,85 euros de comissões de processamento relativos às prestações mensais. A alteração entra em vigor em julho.

  • Cheques mais caros

A 1 de abril, a CGD vai passar a cobrar mais pela requisição e entrega de cheques. Cada livro com cinco módulos vai custar 11,50 euros, enquanto 11 módulos vão custar 25,30 euros.

  • Isenções no crédito à habitação e consumo

A partir de julho, clientes que peçam um novo empréstimo à habitação ou ao consumo passam a ficar isentos durante três meses do pagamento do reembolso antecipado do anterior crédito.

O preçário da Caixa Geral de Depósitos e a lista completa de alterações podem ser consultados aqui.

Recomendadas
BCE confirma Luís Ribeiro como administrador do Novo Banco
Este é o administrador com a área comercial de retalho que já estava em funções na Comissão Executiva liderada por António Ramalho, e cuja avaliação estava em curso no BCE. O Novo Banco vai ainda ter um novo CFO, o irlandês Mark Bourke, e Jorge Cardoso fica com a área de banca de investimento.
Elisa Ferreira defende procedimentos especiais para insolvências de bancos de média dimensão
Como a resolução de um banco médio, mas com relevância sistémica a nível local, tem um impacto social e económico considerável “precisamos de discutir alternativas para os bancos médios e pequenos que saem do mercado, em vez de avançar em direção a uma nova camisa de forças” global, defendeu a vice-governadora do Banco de Portugal em Basel, Suíça.
Haitong com prejuízos de 2 milhões no semestre. Resultado operacional é positivo
“O dinamismo positivo das receitas beneficiou do recente processo de reestruturação e reposicionamento do Banco, o qual tem vindo a assumir-se como a unidade de Corporate and Investment Banking do Grupo Haitong”, justifica o banco de investimento.
Comentários