Respostas Rápidas: O que vai mudar no estacionamento da EMEL em Lisboa?

Apesar de ainda ter de ser submetido a consulta pública, Miguel Gaspar, vereador da Mobilidade, apresentou as novas alterações no Regulamento Geral de Estacionamento e Paragem na Via Pública. Saiba aqui o que vai mudar.

A Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa – EMEL anunciou esta segunda-feira, 15 de julho, as novidades sobre estacionamento na área de Lisboa.

Apesar de ainda ter de ser submetido a consulta pública, Miguel Gaspar, vereador da Mobilidade, apresentou as novas alterações no Regulamento Geral de Estacionamento e Paragem na Via Pública.

O que vai ser mais barato? 

Para “melhorar a disponibilidade de estacionamento na via pública para os residentes”, Miguel Gaspar apresentou a nova medida em que o primeiro dístico do agregado familiar não é pago, sendo que o preço do primeiro dístico tinha um preço de 12 euros.

Os cidadãos que pedem um único dístico também vão deixar de o pagar. De acordo com o vereador da Mobilidade, esta medida deve abranger perto de 50% das famílias.

O que vai ser mais caro?

O terceiro dístico, que já apresenta um custo de 120 euros, vai ficar ainda mais caro, segundo indicou a EMEL. No entanto, o último dístico só fica mais caro nas zonas de Lisboa onde existe “maior pressão de estacionamento”.

O que vai ser criado?

Lugares à porta de habitações. As famílias numerosas “vão poder pedir lugar à porta de casa para estacionamento”, no entanto esta nova medida é só para famílias que tenham mais de três filhos, em que o mais novo tenha até dois anos de idade.

Vão ser ainda criadas duas novas tarifas, correspondendo às cores castanha e preta. Estas duas novas zonas vão custar entre dois euros e três horas por hora, respetivamente. No entanto, estas duas zonas só podem ser utilizadas por um máximo de duas horas.

O que ainda não se sabe?

Onde estas zonas vão ser aplicadas. Miguel Gaspar apenas avançou que serão implementadas no eixo central da cidade de Lisboa, especificando a Avenida Fontes Pereira de Melo e a Avenida da Liberdade, onde atualmente fica a zona amarela e vermelha (as mais caras).

Quando vão ser implementadas. A EMEL e o vereador da Mobilidade anunciaram que algumas medidas vão ser aplicadas ainda este ano, enquanto outras apenas serão postas em prática no primeiro semestre de 2020.

O que já existe?

Atualmente, existem três tarifários. A zona verde custa 0,80 euros por hora, enquanto a zona amarela tem um custo de 1,20 euros por hora e a zona vermelha custa 1,60 euros por hora.

No entanto, existem ainda zonas fixas que têm um custo de dois euros diários.

Ler mais
Recomendadas
pedro-pardal-henriques

Motoristas avançam com greve ao trabalho suplementar no início de setembro

O sindicato dos motoristas de matérias perigosas vai entregar hoje o pré-aviso de greve ao trabalho suplementar, após não chegarem a acordo com os patrões. “O único regime em que as pessoas podem fazer trabalho suplementar sem receberem é a Coreia do Norte”, disse Pardal Henriques.

Adivinhar o futuro

É necessário o relançamento de uma política fiscal que favoreça a atividade empresarial, sobretudo que permita o incremento da competitividade.

Dividir Google, Amazon, Facebook, Apple e Microsoft: o Oriente agradece

Atualmente, quando se pensa na divisão das megaempresas para ganhar terreno no plano concorrencial, não se pode pensar apenas no plano económico, também importa pensar no plano geopolítico.
Comentários