Respostas Rápidas: o que ‘dizem’ as demissões no Governo de May sobre o futuro do Brexit?

Com as duas partes, Londres e Bruxelas, a desbravarem um caminho, o do Brexit, que nunca antes foi percorrido, não havia forma de, sazonalmente, haver percalços inesperados. No Reino Unido vive-se mais um.

Ler mais

O que está em causa com a demissão de David Davis?

Fundamentalmente, duas visões muito diferentes do que pode ser o Brexit: uma saída que mantenha o Reino Unido na órbita da União Europeia e confirme o agregado como o principal parceiro comercial dos britânicos, a saída suave; ou uma saída mais agressiva, que tente quebrar a maioria dos laços económicos entre os britânicos e a União Europeia e permita ao Reino Unido procurar alianças (comerciais, mas também de outra ordem) noutras regiões do globo?

 

E com a demissão de Boris Johnson?

A crise aprofunda-se e se o peso político de Davis não seria muito, já com Boris Johnson as coisas são diferentes: é uma baixa muito pesada para a primeira-ministra, que se encontra numa posição muito delicada. Nenhum analista ficará por certo surpreendido se o governo cair a qualquer instante.

 

Qual é a saída mais fácil?

A primeira, desde logo porque as ligações entre o Reino Unido e a União Europeia são tão extensas, que uma saída agressiva será sempre mais difícil – mesmo em termos monetários. Por outro lado, os eurocéticos, que defendem a saída agressiva, escudam-se numa futura plataforma de entendimento privilegiado entre o Reino Unido e os Estados Unidos – mas já todos os analistas perceberam que o protecionismo importo pelo presidente norte-americano, Donald Trump, não é a melhor forma de ‘receber’ os britânicos.

 

Que saída prefere Bruxelas?

Supostamente a saída suave, que não criará tantas desconfianças entre os antigos parceiros. Mas também porque muitos países – nomeadamente a Alemanha – têm vultuosos interesses instalados no Reino Unido, que não deixariam de ser afetados por uma saída tempestuosa. Seja como for, a montanha de problemas que Theresa May, a primeira-ministra britânica, está a enfrentar, são uma boa notícia para Bruxelas – na circunstância em que desmotivam qualquer país que quisesse seguir os passos do Reino Unido. Aliás, a necessidade de Bruxelas ter mão pesada com o Reino Unido era uma evidência desde a primeira hora das negociações.

 

Qual é o plano de Theresa May?

O plano tem 12 ‘princípios-chave’, dos quais se destacam a data (29 de março de 2019), o controlo das fronteiras, o abandono da jurisdição do Tribunal de Justiça Europeu, a manutenção da fronteira aberta entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda e também entre a Irlanda do Norte e o resto do Reino Unido. Mas foi o “regulamento comum” com a UE que acirrou a ala mais eurocética do Partido Conservador, que logo alertou que o país ficaria sujeito às regras de Bruxelas, o que causaria dificuldades em negociar acordos de comércio com terceiros.

 

O que vai fazer agora a primeira-ministra?

Perante a evidência de que o seu partido está profundamente dividido em relação à saída – não só no governo como também no parlamento – a primeira-ministra tem de escolher um caminho e ‘deixar-se de democracias’. Mas muito dificilmente deixará de ter de marcar eleições antecipadas para pouco tempo depois do dia 29 de março. Isto, claro, se conseguir sobreviver politicamente até lá – o que não é certo.

Relacionadas
Boris Johnson demite-se do governo britânico
O ministro dos Negócios Estrangeiros do governo liderado por Theresa May demitiu-se esta segunda-feira à tarde, agravando a crise política no Partido Conservador britânico. “O seu substituto será anunciado em breve”, segundo o executivo do Reino Unido.
Brexit: Libra valoriza após demissão de ministro britânico
Theresa May vai comparecer esta segunda-feira na Câmara dos Comuns e posteriormente perante o grupo parlamentar conservador para defender os seus planos da futura relação bilateral com a UE, que ainda não foi apresentada a Bruxelas.
Dominic Raab substitui David Davis enquanto ministro responsável do Brexit
Dominic Raab foi promovido de secretário de Estado da Habitação para ministro responsável pelo Brexit, substituindo David Davis, foi anunciado esta segunda-feira.
Reino Unido: ministro do Brexit demite-se em divergência com plano de Theresa May
A demissão surge dois dias depois da primeira-ministra britânica, Theresa May, ter anunciado um plano para manter várias ligações à União Europeia (UE), após a saída do Reino Unido da UE, o que é visto como um obstáculo a novos acordos comerciais.
Recomendadas
Angola assume 90 milhões em dívida certificada a empresas portuguesas
A parte portuguesa estima que a dívida não certificada de entidades públicas angolanas a empresas portuguesas, sobretudo firmas de construção civil e obras públicas, ronda “no mínimo” entre os 400 e os 500 milhões de euros.
TC da África do Sul descriminaliza consumo de canábis para uso privado
Trata-se de uma decisão histórica tomada por unanimidade.
Bolsas europeias e asiáticas escapam ao impacto das novas tarifas à China
A Galp Energia, que destaca esta terça-feira o dividendo de 0,275 euros por ação, sobe 0,77%.
Comentários