Respostas Rápidas: O que liga Vieira da Silva ao caso Raríssimas

A polémica em torno do caso da associação Raríssimas continua a arrastar-se, com o ministro Vieira da Silva no centro das atenções.

Qual a ligação do ministro José Vieira da Silva à associação Raríssimas?

O actual ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, foi, entre 2013 e 2015, vice-presidente da Assembleia Geral da Raríssimas.

Vieira da Silva sabia das irregularidades na associação?

O ministro diz que está de “consciência tranquila” e que não lhe foi “apresentado nenhum problema” nas contas da Raríssimas. Mas segundo a TVI, Vieira da Silva recebeu em outubro uma carta de Jorge Nunes, ex-tesoureiro da Raríssimas, em que pedia a sua intervenção a propósito das irregularidades que detetara nas contas da associação.

Esse pedido foi atendido?

Após a reportagem da TVI que revelou publicamente o caso, o Ministério da Segurança Social prometeu “avaliar” os factos relatados e agir “em conformidade”. Mas as cartas que Jorge Nunes enviou ao Instituto de Segurança Social, em agosto e setembro, pedindo uma inspecção à Raríssimas, não obtiveram resposta, tal como a que enviou a Vieira da Silva.

Vieira da Silva teve algum envolvimento nas irregularidades nas contas da Raríssimas?

Segundo a TVI, o ministro, enquanto vice-presidente da assembleia geral da Raríssimas, participou nas reuniões de aprovação de contas da IPSS, e chegou a dar o aval à criação de uma fundação paralela à Raríssimas, em 2014, com um montante inicial.

Vieira da Silva teria ainda conhecimento de que Paula Brito e Costa apresentava a Raríssimas como fundação, quando na verdade não o era.

O ministro apadrinhou ainda uma parceria entre a Raríssimas e uma congénere sueca, a Agenska,  que visitou, juntamente Paula Brito e Costa, numa viagem a Gotemburgo. A mulher de Vieira da Silva, Sónia Fertuzinhos, já visitara a mesma instituição em setembro de 2016.

Ler mais
Relacionadas

“Mantenho total confiança no ministro”. Costa segura Vieira da Silva

Primeiro-ministro comentou hoje, e pela primeira vez, a polémica em torno da associação Raríssimas para indicar que mantém a confiança total no ministro Vieira da Silva.

Raríssimas: Vieira da Silva ouvido no Parlamento na segunda-feira

Os deputados vão ouvir o ministro do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social esta segunda-feira às 15h30 sobre o caso da associação Raríssimas.

Raríssimas: Paula Brito e Costa já apresentou demissão

A associação vai realizar a uma nova assembleia geral “nos primeiros dias de janeiro” para designar os novos membros.

Maria Cavaco Silva “espantada” e “preocupada” com situação na Raríssimas

A ex-primeira-dama diz que a instituição “faz muita falta”.

Raríssimas: Trabalhadores alertam para risco de fecho por falta de dinheiro

Os trabalhadores da “Raríssimas” avisaram hoje que associação está em risco de fechar por falta de acesso às contas bancárias e apelaram ao primeiro-ministro para que envie uma direção idónea para permitir o funcionamento.

Raríssimas: Vieira da Silva aprovou contas antes de ir para o Governo

O atual ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social apadrinhou ainda uma parceria entre a Raríssimas e uma congénere sueca, tendo conhecimento que Paula Brito e Cunha apresentava a IPPS como uma fundação.

Estado financiou 5 milhões de euros à Raríssimas em cinco anos

Em causa estão os 2,7 milhões de euros da Segurança Social e 2,3 milhões de euros do Ministério da Saúde.
Recomendadas

Eduardo Catroga no Parlamento: “Mito das rendas excessivas do setor elétrico é uma falsa questão”

Está a decorrer a audição do ex-presidente e atual vogal do Conselho Geral e de Supervisão da EDP no âmbito da Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade. Catroga defende que as “alegadas rendas excessivas” não têm “qualquer fundamento técnico ou jurídico”.

Theresa May sobrevive à moção de censura

O resultado da votação parlamentar foi de 325 votos contra a moção de censura e 306 a favor. O futuro do processo da saída do Reino Unido da União Europeia permanece incerto, vinte e quatro horas depois de Theresa May ter sofrido a maior derrota no parlamento inglês, que chumbou o acordo sobre o Brexit.

Costa afirma que há condições políticas à esquerda para aprovar lei de bases da saúde

Estas posições foram defendidas por António Costa no seu discurso final num almoço promovido em parceria entre a Associação 25 de Abril e a revista “Ânimo”, do artista plástico e antigo jornalista e assessor de imprensa do Grupo Parlamentar do PS António Colaço.
Comentários