Respostas Rápidas: O que precisa saber sobre o caso Raríssimas

Uma reportagem da TVI sobre a gestão da associação Raríssimas está a provocar polémica e já levou à abertura de inquéritos pela Polícia Judiciária e pela Segurança Social. Conheça os factos por detrás da polémica.

Baz Ratner/REUTERS

O que é a Raríssimas?

É uma associação que tem por missão apoiar as pessoas que padecem de doenças raras e seus familiares. Em Portugal existem 800 mil pessoas portadoras de doenças raras e a associação procura dar uma “resposta inovadora às necessidades dos portadores de patologia rara, famílias, cuidadores e amigos”, segundo a informação que consta da sua página oficial. Liderada por Paula Brito da Costa, a Raríssimas vive de apoios do Estado e de donativos de particulares. Em 2016, a associação recebeu cerca de um milhão de euros em apoios estatais.

Porque está a Raríssimas a ser alvo de críticas?

A reportagem da jornalista Ana Leal trouxe a público detalhes sobre a gestão da associação. Com testemunhos de antigos elementos da direção da Raríssimas, dá conta de despesas pessoais elevadas em vestuário e deslocações por parte de Paula Brito da Costa. A reportagem dá ainda conta de que a presidente aufere cerca de seis mil euros por mês em ordenados e despesas de representação. O marido e o filho de Paula Brito e Costa trabalham na associação e, na reportagem, a presidente aparece num vídeo a dizer que são “os seus olhos e ouvidos” na Raríssimas. “O meu filho é o herdeiro da parada”, afirma Paula Brito e Costa num dos vídeos que passaram na reportagem.

O que diz a Raríssimas sobre as acusações?

A associação diz que a peça da TVI é “jornalismo de emboscada” e que assenta em “acusações insidiosas” e “informações manipuladas”, divulgadas fora do contexto. “Todas as acusações apresentadas nesta reportagem são insidiosas e baseadas em documentação apresentada de forma descontextualizada”, garantiu a Raríssimas em comunicado.

O que diz o Governo sobre o assunto?

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, terá tido conhecimento das alegadas irregularidades na Raríssimas, segundo a TVI. O ex-tesoureiro da associação, Jorge Nunes, pediu a intervenção de Vieira da Silva, numa carta enviada a 12 de outubro. Além da intervenção direta do ministro, Jorge Nunes terá pedido uma inspeção do Instituto da Segurança Social à Raríssimas em, pelo menos, três cartas datadas de 9 agosto, 15 e 21 de setembro. Todas sem resposta, tanto da parte do Instituto da Segurança social como da tutela. A primeira reação oficial às irregularidades descobertas pela TVI surgiu no domingo. Em comunicado, o Ministério da Segurança Social disse que vai “avaliar” os factos relatados e que vai agir “em conformidade”.

Ler mais
Relacionadas

Raríssimas: Ministro Vieira da Silva conhecia irregularidades desde outubro

O Ministério da Segurança Social disse, em comunicado, que vai “avaliar” os factos relatados e que vai agir “em conformidade”.

Marques Mendes: “Impunha-se mandar fazer já uma inspeção pelo Instituto da Segurança Social à Raríssimas”

O comentador levou neste domingo à SIC os temas da Associação Raríssimas; a ida de Centeno para o Eurogrupo e impacto na política nacional; o debate parlamentar com a ausência das perguntas dos deputados sobre o parecer da PGR pedido por António Costa sobre o julgamento de Manuel Vicente.

Governo vai avaliar a situação da associação Raríssimas e agir em conformidade

O Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social vai “avaliar a situação” da Raríssimas e “agir em conformidade”, após a denúncia de alegadas irregularidades na gestão financeira e de uso indevido de dinheiros da associação pela sua presidente.

Onda de repúdio pela Raríssimas nas redes sociais

A eventual utilização de fundos da associação sem fins lucrativos para gastos pessoais por parte da sua presidente está a deixar os portugueses irritados, apesar da sucessão de ocorrências do género. O Ministério Público já está a avaliar a situação.
Recomendadas

Respostas Rápidas: O que está a acontecer em Espanha e como pode afetar Portugal?

O chefe do Executivo espanhol, Pedro Sánchez, anunciou esta sexta-feira a convocação de novas eleições para dia 28 de abril. Entenda o que está a acontecer em Espanha e de que forma isso pode afetar Portugal.

Respostas Rápidas. José de Mello, Luz Saúde, Lusíadas e Cruz Vermelha: que posições assumiram sobre a ADSE?

Como se estão a posicionar os privados face à ADSE? Vão existir mais cortes de grupos privados de saúde com este subsistema de saúde?

Respostas Rápidas. Quem tem ADSE pode recorrer aos hospitais da José de Mello Saúde ou Luz Saúde?

A José de Mello Saúde formalizou na segunda-feira a suspensão da convenção com a ADSE. O grupo Luz Saúde seguiu-lhe os passos. O que pode acontecer?
Comentários