Respostas Rápidas: Porque é que Bruxelas ativou o “arsenal nuclear” de sanções contra a Polónia?

A Comissão Europeia anunciou esta quarta-feira que vai aplicar o mais pesado “arsenal nuclear” de sanções à Polónia. Saiba o que está em causa.

Porque é que Bruxelas vai sancionar a Polónia?

A Comissão Europeia decidiu aplicar um pacote de sanções sem precedentes contra a Polónia, por entender que existe um “risco claro de grave violação do Estado de direito no país”. O Executivo comunitário considera que “o aparelho judicial está atualmente sob o controlo político da maioria no poder”, especialmente no que toca ao processo de seleção dos magistrados, colocando em causa a independência judicial.

Em que consiste o pacote de sanções que vai ser aplicado?

A União Europeia (UE) vai ativar o artigo 7.º do Tratado de Roma, que é considerado por muitos como uma “bomba atómica” entre as sanções que Bruxelas podem aplicar aos Estados-membros. Esta vai ser a primeira vez que o artigo vai ser invocado. Ao abrigo dele, a Comissão Europeia pode suspender os direitos de voto da Polónia dentro da União Europeia ao país visado.

Qual a reação do Governo polaco?

Zbigniew Ziobro, um dos deputados responsáveis pela aprovação da polémica reorganização dos poderes judiciais, afirma que o país necessita de continuar com as medidas em causa e que o país “apenas será um membro significativo da UE quando possuir um sistema de justiça funcional”.

Já a porta-voz do partido no poder considera que esta decisão da UE “não tem qualquer mérito, é na nossa opinião somente uma decisão política”. Beata Mazurek defende que a decisão de Bruxelas está ligada à recusa da Polónia em receber imigrantes muçulmanos, por “cuidar da segurança dos polacos”.

O que se segue?

A Polónia tem agora três meses para responder às dúvidas de Bruxelas e recuar nas reformas judiciais implementadas. Se não o fizer, a UE inicia um processo para apurar se há ou não um “risco claro” contra o Estado de direito na Polónia. A apreciação da análise será feita por  uma maioria qualificada de 22 dos 27 países da UE, nos quais não constará a Polónia.

A verificar-se o risco de violação do Estado de direito, são retirados os direitos de voto à Polónia em todas as decisões tomadas em sede da UE. A eventual de retirada de sanções ao país, que só poderá acontecer numa segunda fase, vai precisar do voto unânime dos líderes europeus para que possa avançar.

Ler mais
Relacionadas

‘Bomba atómica’: Bruxelas aplica pacote de sanções sem precedentes à Polónia

Em causa está a o recuo do Governo polaco nas reformas judiciais levadas a cabo no país que, de acordo com Bruxelas, passou o aparelho judicial totalmente para as mãos do poder político.
Recomendadas

Presidente da Venezuela inaugura primeira fábrica de mineral Coltan

“Hoje inauguramos, no coração do Arco Mineiro do Orinoco, a primeira fábrica de concentração de Coltan, que gerará quase 7,8 milhões de euros diários de ingressos à nação”, disse.

Embaixada portuguesa em Díli obrigada a fechar novamente

Apesar de posturas agressivas, incluindo pancadas aos vidros da embaixada, o bloqueio da estrada – com alguns jovens a sentarem-se no chão – e da pressão sobre funcionários do edifício, a polícia voltou a demorar várias horas a aparecer.

Timor-Leste leva disputa com petrolífera Oilex à Câmara de Comércio Internacional

“É dececionante que tenha decidido procurar a arbitragem neste momento. O consórcio tinha vindo e continua a negociar de boa fé, tendo feito anteriormente ofertas generosas para resolver o assunto”, disse Joe Salomon, diretor executivo da Oilex.
Comentários