Resultados da STCP continuam negativos mas em apenas 1,8 milhões

Os prejuízos da operadora de transportes situaram-se nos 1,8 milhões de euros, mas a recuperação face aos de 2017 é muito significativa: foram de quase 15 milhões.

A Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) registou no final de 2018 um resultado liquido negativos de 1,8 milhões de euros – mas este valor representa uma forte recuperação em relação ao prejuízo de 14,8 milhões registado no exercício de 2017. Já os resultados operacionais passaram para o lado positivo, ao atingirem de 5,1 milhões de euros, o que representa um aumento da ordem dos 148% em relação aos prejuízos operacionais do ano anterior. O EBITDA recorrente foi também positivo em 1,9 milhões de euros, de onde resultou uma recuperação de 309% face ao ano de 2017.

Em comunicado enviado à CMVM a STCP informa que a receita do serviço de transportes atingiu em 2018 47,8 milhões de euros, um aumento de 5% face ao ano anterior. “A tendência de crescimento verifica-se pelo terceiro ano consecutivo”, indica a operadora de transportes.

Duranet o ano de 2018, a STCP realizou investimentos num total de 14,7 milhões de euros, “o que corresponde a 2,5 vezes o somatório do investimento dos últimos sete anos”. Deste investimento, 14,1 milhões (cerca de 96%) respeitaram à renovação da frota: foram comprados 40 autocarros, dos quais 12 elétricos e 28 a gás.

“Estas viaturas fazem parte de um conjunto de 274 novas viaturas que entrarão ao serviço da STCP até 2021, correspondendo à renovação de 65% da frota” – destas, 20 serão elétricas e as restantes a gás natural.

No ano em análise, a operadora transportou 73,3 milhões de passageiros, o que corresponde a um crescimento de 1,4% em relação a 2017.

Recomendadas

PremiumLisboa pronta para ser a Capital Verde europeia em 2020

A iniciativa verde tem em agenda um conjunto de eventos, atividades, exposições e conferências que irão decorrer ao longo do próximo ano.

Santander lança bolsas para países ibero-americanos

São 210 bolsas de mobilidade destinadas a estudantes, professores e investigadores.

Saiba em que casos as empresas podem controlar trabalhadores com recolha de dados biométricos

Embora o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (RGPD), que foi entrou em vigor há um ano, proíba o tratamento de dados biométricos, há exceções previstas na lei que possibilitar às empresas usar esta informação para controlar a assiduidade dos trabalhadores. Saiba quais.
Comentários