Ribeiro e Castro insurge-se contra “deputados-fantasma” que aprovaram mudança de género aos 16 anos de idade

Antigo líder do CDS-PP questiona: “Como é possível que continue a conviver-se e a transigir-se com o ‘procedimento dos deputados-fantasma’? Isto é, como é possível que sejam contados votos de quem não esteve presente na votação? Como é possível o Parlamento funcionar, em decisões definitivas e fundamentais, com base na vontade presumida?”

O antigo líder do CDS-PP, José Ribeiro e Castro, publicou ontem um texto na rede social Facebook criticando o “procedimento dos deputados-fantasma” que permitiu aprovar a mudança de género aos 16 anos de idade. Também ontem, na Assembleia da República, o projeto de lei que estabelece o direito à autodeterminação da identidade de género e expressão de género e o direito à proteção das caracterí­sticas sexuais de cada pessoa foi aprovado na votação final global com os votos a favor do PS, BE, PEV e PAN e os votos contra do PSD e CDS-PP. O PCP absteve-se. A deputada social-democrata Teresa Leal Coelho não obedeceu à disciplina de voto da bancada do PSD, tendo votado a favor.

Perante a informação de que foram contabilizados os votos de deputados ausentes (de acordo com a indicação de voto da respetiva bancada parlamentar como um todo uniforme), Ribeiro e Castro questionou: “Como é possível que continue a conviver-se e a transigir-se com o ‘procedimento dos deputados-fantasma’? Isto é, como é possível que sejam contados votos de quem não esteve presente na votação? Como é possível o Parlamento funcionar, em decisões definitivas e fundamentais, com base na vontade presumida?”

Mais, “como é possível que continue a conviver-se e a transigir com ‘processos legislativos de cartório’? Isto é, como é possível persistir no desenvolvimento de processos legislativos que rompem com a sua ordem natural – aprovação na generalidade, aperfeiçoamento na especialidade, votação global final? Como é possível persistir na mascarada parlamentar de fingir trabalhar na ‘especialidade’ textos que não foram aprovados na especialidade, fabricando um texto de laboratório? Como é possível validar o procedimento de fabriqueta, amalgamando tudo num teatrinho final de galope a trouxe-mouxe para despachar de uma vez, em breves minutos, as ‘formalidades’ consecutivas generalidade/especialidade/global final?”

“A tramitação e votação desta lei foram feitas de uma forma deplorável, que envergonha o parlamentarismo constitucional, o parlamentarismo democrático, o parlamentarismo republicano”, criticou o antigo líder do CDS-PP, que votou contra o projeto de lei. “Deputados são os que dão a cara, os que dão a voz, os que dão o voto”.

“Quanto à lei em si, sou contra. Gostaria de ser informado, por exemplo, de quantos países dispõem de legislação similar. Mas isto – e tantos outros aspectos – só seria possível que os portugueses soubessem, caso o Parlamento se tivesse esforçado por debater abertamente este tema, no número de sessões plenárias que fosse necessário, em vez de o despachar por detrás de biombos e fazer carimbar, a final, por deputados-fantasma. A sensibilidade da questão e a mudança conceptual que provoca mereciam bem melhor”, concluiu.

Relacionadas

Nova lei de identidade de género alivia sofrimento dos jovens, realça Secretária de Estado para a Igualdade

O gabinete de Rosa Monteiro lembra que Portugal é o 5º país europeu a ter uma lei de identidade de género baseada na autodeterminação.

Aprovada lei que permite mudança de género aos 16 anos

O diploma sobre a identidade de género teve o ‘sim’ do Parlamento esta sexta-feira.
Recomendadas

Taxistas abertos ao diálogo se a lei incluir definição de contigentes de carros

Os motoristas de táxi estão dispostos a pôr fim aos protestos que duram há três dias se a lei passar a contemplar a fixação, pelos municípios, do contingente de carros para aluguer de passageiros, disse um dirigente associativo.

Bloco de Esquerda vai apresentar proposta para proteger todos os inquilinos contra despejos

Bloquistas vão apresentar na segunda-feira, no Parlamento, uma moratória ao regime de despejos para que seja alargada a proteção a todos os arrendatários, anunciou a deputada Maria Manuel Rola.

Autarca do PSD André Ventura lança movimento para destituir Rui Rio

O vereador do PSD em Loures André Ventura vai lançar na próxima semana o movimento Chega, para substituir Rui Rio na liderança e colocar o partido no “espectro ideológico do centro-direita português”.
Comentários