Ricardo Salgado vai recorrer da condenação do Banco de Portugal

“Face à injustiça desta decisão do regulador”, a defesa de Ricardo Salgado “interporá recurso para os Tribunais, ainda na esperança de que o Estado-de-Direito não cederá a pressões de qualquer espécie”.

Rafael Marchante/Reuters

Em comunicado, a defesa de Ricardo Salgado, a cargo de Francisco Proença de Carvalho e de Adriano Squilacce, anuncia que vai recorrer da decisão de condenação do Banco de Portugal, cuja condenação ocorreu hoje.

“Face à injustiça desta decisão do regulador”, a defesa de Ricardo Salgado “interporá recurso para os Tribunais, ainda na esperança de que o Estado-de-Direito não cederá a pressões de qualquer espécie”.

O recurso é feito para o Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão de Santarém, segundo fonte ligada ao processo.

A defesa do ex-banqueiro diz que “quase 5 anos depois de ter sido tomada a ilegal decisão de destruição de uma instituição centenária como o BES, foi proferida esta decisão numa linha estratégica de isolamento de certos arguidos para continuar a dissimular o desprezo que os então responsáveis do BdP conferiram à garantia soberana de Angola de 5,7 mil milhões de dólares, que permitiria ter evitado muitos prejuízos”, dizem os advogados de Ricardo Salgado.

“Como habitual, a decisão do BdP foi notificada ao Expresso antes de ter sido notificada a, pelo menos, parte dos arguidos, o que reitera o interesse do decisor em fazer opinião pública e não justiça de forma serena”, diz a nota.

“Apesar de ter determinado o arquivamento parcial das contra-ordenações imputadas” a Ricardo Salgado, a defesa diz que “esta decisão do BdP formaliza as declarações do Senhor Governador em 3 de agosto de 2014 (dia da resolução do BES).

Isto é, na opinião da defesa de Ricardo Salgado, o Governador “pré-escolheu aqueles que seriam culpados do caso BES, aquando do anúncio da resolução e 2 meses antes do início deste processo”.

“Aliás, o Tribunal de Santarém já qualificou estas declarações do Senhor Governador como um ‘excesso argumentativo’, como tendo ‘extravasado o estritamente necessário’, além de serem excessivamente conclusivas”, diz o comunicado da defesa do ex-presidente do BES, que acrescenta que “isto, aparentemente, ainda não terá sido suficiente para questionar o sistema que distorce o Estado-de-Direito, mas é revelador da total ausência de imparcialidade e isenção do Banco de Portugal para julgar factos respeitantes ao BES e a Ricardo Salgado”, refere o comunicado.

Oito dos 18 acusados pelo Banco de Portugal foram hoje notificados da condenação. As falhas na relação com o BESA levaram á condenação a três ex-gestores do BES e três do ESFG. A notícia foi divulgada pelo Jornal de Negócios e pelo Expresso. O Banco de Portugal condenou Ricardo Salgado a pagar, em cúmulo jurídico, 1,8 milhões de euros, correspondentes a três coimas distintas no valor 400 mil, 500 mil e um milhão de euros. Neste processo, o regulador não aplica a sanção acessória de inibição de exercício de funções porque o ex-banqueiro já está impedido de trabalhar no setor financeiro por um período de oito anos.

Ler mais
Recomendadas

CGD com “insuficiências” na análise de risco na concessão de crédito

Entre 2008 e 2013, o volume de créditos em incumprimento na CGD aumentou exponencialmente, de 1,5 mil milhões para 5,2 mil milhões, com os rácios a passarem de 2,3% para 7,5% respetivamente, segundo a auditoria. As imparidades, por sua vez, passaram de 3,2 mil milhões para 5,3 mil milhões de euros.

Intervenção do Estado nas decisões da CGD teve “influência adversa”

A EY identificou, sobretudo, três situações originadas pelas estratégias definidas por sucessivos governos.

Governo pediu à CGD que fossem tomadas “todas as diligências”

O Governo pediu à administração da CGD que fossem “efetuadas todas as diligências necessárias para apurar quaisquer responsabilidades” e tomadas “medidas adequadas para a defesa da situação patrimonial da CGD”, pode ler-se na nota citada pela TSF.
Comentários