Rio de Janeiro multa bares e restaurantes que oferecem palhinhas de plástico

As autoridades do Rio de Janeiro começaram hoje a multar os cafés, restaurantes e bares de praia da emblemática cidade brasileira que oferecem palhinhas de plástico aos clientes. ”Estamos na vanguarda de uma grande luta em defesa do meio ambiente”.

As autoridades do Rio de Janeiro começaram a multar os cafés, restaurantes e bares de praia da emblemática cidade brasileira que oferecem palhinhas de plástico aos clientes, anunciou o Prefeito da cidade num comunicado.

Os estabelecimentos que desobedecerem à regra estarão sujeitos a uma coima que pode variar entre os 650 reais (cerca de 133 euros), valor que será aplicado a vendedores ambulantes, e os 1.650 mil reais (cerca de 340 euros).  Em caso de reincidência, a punição pode chegar aos 6 mil reais (cerca de 1235 euros), segundo a nota da Prefeitura do Rio de Janeiro.

Os funcionários do organismo de vigilância sanitária do Rio visitaram cerca de 5 mil estabelecimentos para alertar os proprietários sobre a necessidade de substituir as palhinhas. Aprovada pela Câmara Municipal a 4 de julho e regulamentada por Marcelo Crivella, Prefeito da cidade, 13 dias depois, a lei prevê a substituição das palhinhas de plástico por versões biodegradáveis ou recicláveis.

Os estabelecimentos auditados tiveram até esta terça-feira, 18 de setembro, para realizarem a mudança, enquanto que as instalações que ainda não foram examinadas pelas autoridades têm um prazo de 60 dias para fazê-lo a partir da primeira visita dos técnicos.

“O Rio de Janeiro tornou-se na primeira capital do Brasil a proibir palhas de plástico descartáveis. Estamos na vanguarda de uma grande luta em defesa do meio ambiente”, refere o Prefeito da cidade, Marcelo Crivella. “Esta é uma causa de toda a população, que pode ajudar o gabinete do Prefeito a monitorizar e a cobrar dos comerciantes o cumprimento da lei”, disse.

De acordo com um relatório conduzido pela ”Greenpeace”, (organização não governamental de ambiente), estima-se que mais de um milhão de aves e 100 mil mamíferos marinhos morrem a cada ano como resultado dos resíduos plásticos que chegam ao mar, incluindo palhinhas, que podem demorar até 500 anos para se decomporem no meio ambiente.

Ler mais
Relacionadas

Ativistas entregam petição ao Governo de Macau para proibir sacos de plástico

“Macau é uma cidade tão pequena e produz tanto lixo. O Governo tem de atacar este problema”, disse hoje à Lusa um dos elementos que organizou a petição, Annie Lao, depois de em menos de duas semanas terem sido recolhidas mais de 4.500 assinaturas.

Starbucks vai deixar de usar palhinhas de plástico

Com esta política, a empresa antecipa retirar das suas lojas cerca mil milhões de palhinhas de plástico por ano. No segmento das bebidas, mais de metade das receitas da Starbucks são provenientes das vendas de bebidas frias, o que demonstra o impacto que esta política vai ter nas operações da empresa.

Lidl avança com medidas contra o excesso de plástico em Portugal

Cadeia germânica de distribuição vai descontinuar do seu sortido os artigos de plástico descartável, tais como copos e pratos descartáveis nas suas mais de 250 lojas em Portugal, já a partir de agosto.
Recomendadas

Emissões do gás CFC-11 aumentaram e estão a afetar camada de ozono. Cientistas culpam China

Uma equipa internacional de cientistas anunciou que as misteriosas emissões de CFC-11 – um gás que danifica a camada de ozono – aumentaram cerca de 7 mil toneladas por ano desde 2012. Cientistas remetem a origem destas emissões para duas províncias na China.

Ministro do Ambiente considera que luta dos estudantes é “a mais justa”

João Pedro Matos Fernandes assegurou que ouve as mensagens dos manifestantes, mesmo quando estes querem ir mais depressa do que o Governo está disposto a ir. Há novo protesto pelo clima na próxima sexta-feira.

Portugal está “a viver de água que não tem”

A Associação Natureza Portugal, que representa a WWF, no país, alerta para má gestão e desperdício no consumo de água em Portugal, e faz recomendações a políticos, empresas e cidadãos, para inverter a situação
Comentários