Risco e incerteza: qual o futuro para o setor segurador de crédito à exportação?

Líderes do setor vão discutir os desafios e oportunidades que a pandemia colocou, numa conversa transmitida esta tarde, às 15h00.

As repercussões da pandemia de Covid-19 fazem-se sentir em todos os setores, em especial naqueles que operam à escala global, como o caso das seguradoras de crédito à exportação.

Face às incertezas quanto ao retomar da normalidade económica, este setor encara ainda outros riscos, de natureza geopolítica, climática, logística e tecnológica. Apesar de cada setor encarar a pandemia de forma diferente, importa perceber como vão as empresas que lidam com os créditos à exportação repensar e alterar as suas operações de forma a evitar uma crise, com efeitos no tecido empresarial nacional e local.

Este é o ponto de partida para a JE editors Talks desta sexta-feira, à qual pode assistir em direto a partir das 15h00. Ative as suas notificações do Jornal Económico para ser recordado da mesma. Além da presença de representantes da Willis Towers Watson e da COSEC, esta iniciativa conta com a participação especial de Cristina Rogado, associada sénior de contencioso e arbitragem e coordenadora da área de seguros da CMS.

A conversa será também transmitida no Facebook e na JE TV do Jornal Económico.

 

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com Willis Towers Watson Portugal e COSEC.

Recomendadas

MBA e LLM em pandemia. Como vão as escolas de gestão e de direito encarar os desafios?

O impacto da pandemia nos cursos de MBA e LLM será o foco da próxima JE editors Talks. Junte-se às mais prestigiadas escolas de gestão e direito do país para uma conversa em direto, no dia 4 de março, às 17h00.

Como a pandemia acelerou a digitalização da Tesouraria e Gestão financeira corporativa

A crise pandémica colocou as empresas perante desafios imprevistos, em múltiplas vertentes.

Qual a utilidade dos benefícios extrassalariais para atrair talento?

Entenda quais são os beneficios extrassalariais mais valorizados pelos profissionais. Será que as prioridades das empresas são as mesmas que as dos trabalhadores?
Comentários