Rodrigo Costa acusa BE de querer nacionalizar parte da REN

Presidente da REN mostrou-se indignado com a proposta do Bloco de Esquerda (BE) de passar a gestão técnica do sistema elétrico para o controlo público, considerando que significaria “nacionalizar parte da empresa”.

Questionado sobre a proposta do BE apresentada na quarta-feira, Rodrigo Costa começou por questionar o objetivo, se é “tentar resolver um problema ou é uma questão meramente ideológica” até a considerar lesiva dos interesses dos acionistas e do país.

“O que está a ser proposto neste momento é uma nacionalização da empresa, uma renacionalização da empresa. Era uma empresa do Estado que foi privatizada e agora há uma proposta para nacionalizar parte da empresa, uma atividade que é talvez a mais importante da empresa”, afirmou o presidente da REN, na conferência de imprensa de apresentação dos resultados relativos a 2016.

Manifestando “alguma indignação” em relação à proposta bloquista, Rodrigo Costa defendeu a vantagem dos serviços associados à rede estarem interligados: “Há uma grande benefício de estar tudo interligado, porque somos muito mais eficazes do ponto de vista de custo”.

Relacionadas

Lucros da REN caem 13,7% para 100 milhões de euros em 2016

Empresa liderada por Rodrigo Costa diminuiu os resultados face ao ano anterior, devido a uma comparação desfavorável com o ano anterior, no qual registou ganhos não-recorrentes.
Recomendadas

Milhões da Europa começam a chegar este ano para o hidrogénio verde

O Plano de Recuperação e Resiliência vai começar a distribuir apoios já este ano e vai ser lançado um leilão para atribuir apoios. Várias empresas estão já a trabalhar para desenvolver um ‘cluster’ industrial de H2 verde de Sines.

Portugal terá a ganhar com acordo tributário global, diz ministro das Finanças

João Leão ressalva, contudo, ser “prematuro retirar consequências diretas para Portugal” deste compromisso, uma vez que este dependerá da forma como a criação de uma taxa mínima global sobre os lucros daquelas empresas e a atribuição de direitos fiscais aos países onde as empresas operam e não apenas onde estão sedeadas se irão articular e também de questões que precisam ainda de ser consensualizadas.

Detalhes são importantes na continuação de acordo tributário do G7, dizem especialistas

No passado fim de semana, os países que integram o G7 alcançaram um acordo sobre a reforma do sistema tributário mundial que prevê uma taxa de imposto mínima de 15% sobre as empresas e que as multinacionais paguem impostos nos países onde obtêm receitas e lucram e não apenas naquele (s) onde estão sedeadas.
Comentários