Roger Waters vaiado por 40 mil pessoas em concerto no Brasil. Duas palavras bastaram

Durante um concerto do célebre músico inglês em São Paulo, Roger Waters revelou num ecrã gigante mensagens de oposição ao candidato brasileiro Jair Bolsonaro. Reação foi surpreendente.

Stephanie Hahne/TMDQA!

Durante um concerto em São Paulo, o membro da banda inglesa de rock, Roger Waters mostrou no ecrã gigante, por cima do palco, mensagens de alerta à onda fascista que atinge vários países do mundo atualmente, incluindo o Brasil e o candidato presidencial, Jair Bolsonaro.

As palavras ”#EleNão” apareceram durante o concerto durante a música ”Eclipse”, já perto do final do concerto, e a reação do público foi inesperada. O jornal ”Folha de São Paulo” afirma que quase 40 mil pessoas no estádio ”vaiaram” a banda e muitas abandonaram o recinto antes do final do concerto.

O artista, que foi impedido de falar várias vezes, conseguiu fazer-se ouvir entre os gritos ensurdecedores do público e afirmou ser ”contra o ressurgimento do fascismo. Acredito nos direitos humanos. Prefiro estar num lugar em que o líder não acredita que a ditadura é uma coisa boa. Lembro-me das ditaduras da América do Sul e não foram boas.”

Entre as vaias, o músico acrescentou, “vocês têm uma eleição muito importante daqui a três semanas. Sei que isso não é da minha conta, mas devemos sempre combater o fascismo. Não dá para ser conduzido por alguém que acredita que uma ditadura militar pode ser uma coisa boa.”

 

Recomendadas

Marta Temido: Parecer da PGR diz que greve dos enfermeiros é “ilícita”

Ministério da Saúde reagiu em conferência de imprensa ao parecer do Conselho Consultivo da Procuradoria Geral da República (PGR), pedido em janeiro, que diz que greve cirúrgica é ilegal.

EconPol diz que União Bancária não protege bancos europeus das repercussões de uma crise orçamental italiana

Os planos orçamentais do novo governo italiano têm o potencial de desencadear uma nova crise financeira, diz o analista da EconPol Europe, Timo Wollmershäuser.

Carlos Moedas defende critérios para o investimento estrangeiro na Europa

Carlos Moedas destaca que o investimento chinês na Europa cresceu 600% entre 1995 e 2015, “com claras implicações na distribuição de poder a nível internacional”.
Comentários