Roma protesta contra decreto anti-migrantes

Os protestos reuniram milhares de pessoas no centro de Roma que disseram não ao decreto sobre segurança e anti-migrantes de Matteo Salvino, ministro do Interior e líder da Liga (extrema-direita).

Alessandro Bianchi / Reuters

Milhares de pessoas protestaram no centro de Roma contra o decreto sobre a segurança e anti-migrantes, que foi defendido por Matteo Salvino, ministro do Interior e líder da Liga (extrema-direita).

Segundo um dos participantes, Sergio Serraino, da associação Emergency, os manifestantes, muitos militantes da esquerda radical ou do meio associativo vindos de todo o país, desfilaram para dizer “não a Salvini e ao racismo”.

“Black Lives Matter (as vidas negras contam)”, “Acolhimento para todos, abram as fronteiras”, podia ler-se em cartazes transportados pelos manifestantes, entre os quais se encontravam também muitos migrantes.

O controverso decreto-lei substitui as autorizações de residência humanitárias – atualmente concedidas a 25% dos requerentes de asilo e com uma duração de dois anos – por diversas outras autorizações, como a “proteção especial”, com a duração de um ano, ou a relativa a “catástrofe natural no país de origem”, por seis meses.

Prevê ainda um procedimento de emergência para expulsar qualquer candidato considerado “perigoso”, reorganizando o sistema de acolhimento dos requerentes de asilo.

O texto prevê também a utilização generalizada das pistolas de impulsos elétricos e facilita o despejo dos edifícios ocupados.

Após ter passado pelo Senado italiano (câmara alta do parlamento) na quarta-feira, o decreto-lei deverá ser votado em definitivo pela Câmara dos Deputados no final de novembro.

Ler mais
Recomendadas

Angola vai substituir imposto de consumo pelo IVA

Com a introdução do IVA, o executivo angolano pretende aplicar ainda dois regimes ao nível da sua aplicação.

Angola quer ajuda de todos os países e instituições no combate ao crime financeiro

O ministro das Relações Exteriores de Angola disse, em Lisboa, que o país africano quer “a ajuda de todos os países e governos e instituições” no âmbito do repatriamento de capitais, desvalorizando a nacionalidade do detentor dos capitais.

Cotadas ‘escoltam’ chefe do governo espanhol na sua viagem a Cuba

Cuba precisa de escapar do espartilho imposto pela Casa Branca e Espanha é uma das suas melhores opções. Chefe do governo espanhol não vai encontrar-se com nenhum membro das oposições internas a Miguel Díaz-Canel.
Comentários