Rúben Amorim renova contrato com o Sporting até junho de 2024

O treinador Rúben Amorim prolongou por mais uma época o contrato com o Sporting, até 30 de junho de 2024, anunciou esta sexta-feira o clube líder da I Liga portuguesa de futebol. A cláusula de rescisão aumenta de 20 para 30 milhões de euros.

Rúben Amorim, de 36 anos, sucedeu a 5 de março de 2020 a Silas, atual treinador do Famalicão, tendo, na altura, sido contratado pelos ‘leões’ ao Sporting de Braga, por 10 milhões de euros, por três temporadas, até ao fim da época 2022/23.

Um dia antes de cumprir um ano no cargo, o treinador renovou o vínculo com o clube ‘leonino’, que lidera destacadamente a I Liga, sem derrotas, após 21 jornadas, com nove pontos de vantagem sobre o Sporting de Braga, 10 face ao campeão FC Porto e 13 em relação ao Benfica.

No comando técnico do Sporting, Rúben Amorim já ergueu a Taça da Liga, a segunda como treinador, depois da conquista em 2019/20 pelos bracarenses. A cláusula de rescisão aumenta de 20 para 30 milhões de euros.

O Sporting é o terceiro clube que Rúben Amorim treina, depois de uma curta passagem em 2018/19 pelo Casa Pia (Campeonato de Portugal), do qual saiu, castigado pelo Conselho de Disciplina [decisão mais tarde revogada pelo Tribunal Arbitral do Desporto], por ter, alegadamente, dado indicações enquanto treinador estagiário.

Depois, assumiu o Sporting de Braga B, durante cerca de dois meses, até suceder a Ricardo Sá Pinto na equipa principal dos minhotos.

Recomendadas

Superliga: Criadores pretendem remodelar prova após êxodo dos ingleses (com áudio)

O Manchester City foi o primeiro dos clubes ingleses a oficializar, na terça-feira, a saída da Superliga, seguindo-se, pouco depois e praticamente ao mesmo tempo, Arsenal, Liverpool, Manchester United e Tottenham, antes de o Chelsea consumar o abandono de toda a ‘elite’ do futebol britânico, já na madrugada de hoje.

Superliga: Arsenal, Liverpool, Tottenham e Manchester United também abandonam

Os ‘citizens’ anunciaram anteriormente que já tinham iniciado formalmente o procedimento para se retirarem do grupo responsável pelo desenvolvimento do projeto da Superliga europeia, tendo agora sido seguidos por mais estes quatro clubes ingleses, estando ainda na calha a eventual saída do Chelsea.

Fernando Santos mostra-se “totalmente contra” criação da Superliga

“Nem me passa pela cabeça que isso possa ser viável, sinceramente. Não faz nenhum sentido. O que vai trazer de positivo ao futebol? Menor qualidade, só”, referiu o selecionador nacional.
Comentários