Rui Rio diz que auditoria ao Novo Banco deve incluir atual gestão

Presidente do PSD ressalvou que incluir a atual gestão do Novo Banco na auditoria “não quer dizer que haja desconfianças” sobre a forma como a instituição está a ser gerida. Mas que os contribuintes portugueses “exigem uma clarificação”.

O presidente do PSD defendeu hoje que a auditoria ao Novo Banco deveria incluir o “que neste momento” se passa naquela instituição, considerando ser “de bom tom” certificar se o dinheiro dos contribuintes está a ser devidamente aplicado.

Rui Rio falava aos jornalistas no final de uma audiência com o Presidente da República, que decorreu no Palácio de Belém, em Lisboa.

O líder dos sociais-democratas assinalou que “o Governo quer fazer [a potencial auditoria] apenas até à resolução”, mas que o entendimento do seu partido é que essa análise deveria incluir “aquilo que, neste momento, se está a passar no Novo Banco”.

“O Governo não o quer fazer. Nós demos conta ao Presidente da República (…), que os contribuintes portugueses, em minha opinião, exigem uma clarificação sobre isto que está neste momento a ser feito no Novo Banco”, referiu.

Rui Rio ressalvou que “isto não quer dizer que haja desconfianças sobre a forma como o Novo Banco está a ser gerido e como as imparidades estão a ser assumidas”.

“Mas, é de bom tom que haja uma auditoria para nós todos termos a certeza que o dinheiro dos contribuintes, que neste momento está a entrar no Novo Banco por via do fundo de resolução, está de acordo com aquilo que é o contrato de venda e de acordo com aquilo que são os processos normais de gestão do banco”, salientou.

No dia 01 de março, o Novo Banco anunciou que vai pedir uma injeção de capital de 1.149 milhões de euros ao Fundo de Resolução. No ano passado, para fazer face a perdas de 2017, este banco já tinha recebido uma injeção de capital de 792 milhões de euros do Fundo de Resolução.

Em 06 de março, a propósito do período em que incidirá a auditoria anunciada pelo Governo ao Novo Banco, o primeiro-ministro declarou que será sobre a fase anterior à resolução do Banco Espírito Santo (BES), salientando que a fase posterior foi “conduzida diretamente” pelo Banco de Portugal.

Na altura, questionado sobre a posição do Presidente da República a favor de uma auditoria ao período “desde que foi determinada a resolução”, António Costa disse perceber a posição de Marcelo Rebelo de Sousa, mas sugeriu que “porventura uma comissão parlamentar de inquérito seria mais adequada para fazer a apreciação da atuação do Banco de Portugal neste processo”.

Três dias antes, o Presidente da República tinha-se manifestado de acordo com o pedido de auditoria anunciado pelo Governo às contas do Novo Banco, defendendo que “os portugueses têm o direito de saber o que se passou desde que foi determinada a resolução, já lá vão muitos anos, com sucessivas gestões, e saber concretamente qual o destino do dinheiro dos contribuintes”.

O Novo Banco foi criado em 2014 para ficar com parte dos ativos do BES e é desde outubro de 2017 detido em 75% pelo fundo norte-americano Lone Star, sendo os restantes 25% propriedade do Fundo de Resolução gerido pelo Banco de Portugal.

A Lone Star não pagou qualquer preço, tendo acordado injetar 1.000 milhões de euros no Novo Banco, e negociou um mecanismo que prevê que, durante oito anos, o Fundo de Resolução injete até 3,89 mil milhões de euros no banco, por perdas que venha a registar num conjunto de ativos ‘tóxicos’ e alienações de operações não estratégicas, caso ponham em causa os rácios de capital da instituição.

Em 2018 o Novo Banco registou prejuízos de 1.412 milhões de euros.

Ler mais
Relacionadas

Novo Banco: tudo o que já foi dito na COFMA

Depois de Mário Centeno, José Bracinha Vieira José Rodrigues de Jesus, a COFMA ainda quer ouvir governador do Banco de Portugal, o presidente do Fundo de Resolução, Luís Máximo dos Santos, e o CEO do banco, António Ramalho.

Imparidades são adequadas e opiniões contrárias são incorretas, diz Novo Banco

Resposta do Novo Banco surge depois de várias personalidades, como políticos, terem colocado em causa o valor das imparidades constituídas pelo Novo Banco, o que tem influência no pedido de recapitalização ao Fundo de Resolução.

“Há dinheiro dos contribuintes envolvido”. Marcelo insiste na auditoria ao Novo Banco

“A minha opinião mantém-se. Isto é, há dinheiro dos contribuintes direta e indiretamente envolvido – diretamente envolvido através da Caixa Geral de Depósitos (CGD), indiretamente envolvido através de financiamentos que vão aumentar a dívida pública do Estado -, importa apurar o que se passou”, afirmou o Presidente da República.

Injeção de capital no Novo Banco pode aumentar défice para 0,7% este ano, estima CFP

Conselho de Finanças Públicas prevê um défice de 0,3% para este ano, enquanto a meta do Governo aponta para 0,2%. No entanto, injeção de capital no Novo Banco pode contribuir para deterioração do saldo orçamental em 0,4 pontos percentuais face ao cenário projetado pelo CFP.
Recomendadas

Reformados do BCP exigem aumentos das pensões

A moção com esta exigência foi aprovada em reunião em 18 de julho, referindo essa moção que estes reformados que, ao contrário dos outros pensionistas bancários, não vêem as pensões atualizadas desde 2010.

EuroBic também anuncia Verão sem gravata

Mais um banco a aderir à moda de deixar de obrigar ao uso da gravata. Desta vez é o EuroBic, depois do Montepio e do BCP. Lá fora a moda parece ter vindo para ficar.

Millennium BCP recusa proposta de revisão do Acordo Coletivo feita pelos sindicatos bancários

O Banco recusou a proposta dos três sindicatos. Isto é, um aumento de 2,25%, igual ao verificado no setor bancário no mesmo período em que não se verificam aumentos salariais no BCP, desde 2010, para igualarem os trabalhadores aos restantes da banca. As negociações do ACT passam para fase da mediação com a Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho.
Comentários