Rui Rio nega divisões na direção do PSD

O presidente do PSD foi questionado sobre críticas na sua direção à condução do partido, mas negou que existam. “Se fosse verdade teria de estar muito preocupado”, afirmou.

Cristina Bernardo
Ler mais

O presidente do PSD rejeitou este sábado a existência de divisões dentro da sua direção, insistiu na defesa de uma abertura ao diálogo com todas as forças políticas e criticou o “ruído” vindo dos corredores da política. Estas posições foram assumidas por Rui Rio numa conferência de imprensa, num hotel de Lisboa, com o presidente do Partido Popular (PP) espanhol, Pablo Casado.

Confrontado com notícias de que as divisões no interior do PSD chegaram já à própria Comissão Permanente dos sociais-democratas, Rui Rio respondeu de forma sumária: “Se os pressupostos da pergunta fossem verdadeiros, eu teria de estar não preocupado, mas, antes, muito preocupado”. Mas como os pressupostos da pergunta não são verdadeiros, eu não estou preocupado com isso”, rematou.

Interrogado sobre a forma como se tem posicionado no quadro político nacional, o presidente do PSD voltou a rejeitar soluções de Governo com o PS num quadro de normalidade democrática, mas insistiu na necessidade de os sociais-democratas rejeitarem uma atitude sectária face a propostas provenientes de outras forças política.

“Aquilo que sempre defendi – e repito – é que uma coisa é a disponibilidade para o diálogo com todos os partidos, sem exceção, respeitando todos, em nome daquilo que Portugal precisa, em nome de reformas que têm de ser feitas e que só podem ser concretizadas com maiorias alargadas à escala parlamentar. Outra coisa completamente diferente é a disponibilidade para participar em coligações com partidos como o PS”, afirmou.

Na perspetiva do presidente do PSD, qualquer pessoa de bom-senso percebe” aquilo que está a defender. “Acho que, tirando este ruído dos corredores da política, o povo português percebe isto como ninguém. Temos de estar disponíveis para colaborar em nome do interesse nacional e não se adotar o princípio de à partida estar-se contra tudo e contra todos”, frisou.

Para Rui Rio, não se devem excluir soluções de Governo excecionais em situações extraordinárias do ponto de vista institucional, tal como admitiu poder estar a acontecer em Espanha.

Mas Portugal, em 2018, do ponto de vista institucional, de acordo com o presidente do PSD, não se encontra nessa situação excecional. Rui Rio desvalorizou também as críticas do CDS-PP à sua proposta no sentido de defender a introdução de uma progressividade na tributação de mais-valias imobiliárias em sede de Imposto sobre o Rendimento Singular (IRS), penalizando mais os processos especulativos e compra e venda rápida.

O presidente do PSD rejeitou que tenha proposto um aumento da carga fiscal no âmbito do Orçamento do Estado para 2019. “O CDS comentou com base num não entendimento, dizendo que vai aumentar a carga fiscal. Não há nenhum aumento da carga fiscal. Nem sequer entenderam bem aquilo que foi dito”, respondeu.

Recomendadas
Angola/PM: Costa considera “muito provável” visita de Estado de Marcelo em 2019
De acordo com o líder do executivo português, a partir de agora, as visitas de alto nível entre as autoridades políticas de Luanda e de Lisboa “retomarão o seu ciclo normal”.
Transparência: PS quer regresso da lista das subvenções vitalícias
A lista, composta na maioria por políticos reformados, deixou de ser publicada em maio, depois de surgirem dúvidas colocadas pelo Regulamento Geral de Proteção de Dados.
Comissão parlamentar quer ouvir Manuel Pinho em 17 de outubro
Fonte parlamentar adiantou à agência Lusa que para 17 de outubro ficou agendada a audição do ex-ministro da Economia Manuel Pinho, sendo esta a última data deste lote de inquirições previstas.
Comentários