Rússia acelera entrega de mísseis antiaéreos à Turquia

A compra deste armamento poderá estar relacionada com o envolvimento da Turquia no conflito bélico com a comunidade curda nos territórios fronteiriços do país com o norte da Síria e do Iraque. EUA já ameaçaram com sanções.

Lucy Nicholson / Reuters
Ler mais

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, fez saber que a Rússia vai antecipar a entrega de sistemas de mísseis antiaéreos à Turquia, noticia a Reuters esta quarta-feira.

O anúncio veio de uma conferência de imprensa em Moscovo, Rússia, que contou com a presença do homólogo turco de Lavrov, Mevlut Cavusoglu e em causa está o sistema de defesa antiaéreo de mísseis S-400.

Em dezembro de 2017, Rússia e Turquia anunciaram um acordo entre ambos, que previa o fornecimento deste sistema de defesa a partir de 2020. O fornecimento é agora antecipado.

Os mísseis antiaéreos S-400 podem alcançar alvos aéreos em movimento até 400 quilómetros de distãncia e outros alvos balísticos até 60 quilómetros de distância. O sistema lança-mísseis em causa pode lançar pelo menos quatro tipos de mísseis interceptores, adequados para diferentes alvos. Uma bateria de S-400 pode alcançar até 36 alvos em simultâneo.

No início desta semana, Mevlut Cavusoglu, em entrevista ao jornal alemão Die Zeit, explicou que o acordo de compra do sistema antiaéreo com a Rússia surgiu porque estados-membros da NATO, na qual se inclui a Turquia, mostrou relutância – principalmente da parte dos Estados Unidos – em vender armamento ao país governado por Recep Tayyip Erdoğan.

A compra deste armamento poderá estar relacionada com o envolvimento da Turquia no conflito bélico com a comunidade curda nos territórios fronteiriços do país com o norte da Síria e do Iraque.

O acordo de compra dos mísseis S-400 com a Rússia avança, embora os Estados Unidos já tenham ameaçado impor sanções à Turquia, através do CAATSA, uma norma norte-americana que prevê combater adversários dos EUA através de sanções internacionais. Rússia, Coreia do norte e Irão já sofreram sanções internacionais, promovidas pelos EUA, através desta norm aprovada em agosto de 2017 por Donald Trump.

Recomendadas

Fitch decide manter ‘rating’ de Moçambique em ‘default’ e prevê dívida nos 102%

“A decisão reflete o falhanço do emissor em resolver o ‘default’ da dívida aos credores comerciais”, escrevem os analistas na nota que explica a decisão, tomada hoje, de manter a avaliação de Moçambique em ‘Incumprimento Seletivo’ (RD – Restricted Default, no original em inglês).

Ex-presidente do Fundo Soberano de Angola vai a tribunal responder pela transferência ilícita de 500 milhões de dólares

O processo envolve o ex-presidente do Conselho de Administração do Fundo Soberano de Angola, José Filomeno dos Santos, e já foi remetido para o tribunal, lembrou o vice-procurador-geral da República angolano, Mota Liz.

Cimeira em Pyongyang “consolida passos” no sentido da desnuclearização, realça Governo português

Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) português identifica determinação de ambas as partes em mitigar a tensão entre as duas Coreias.
Comentários