Rússia manterá domínio do mercado europeu de gás além de 2022, prevê CyC

A dependência de alguns países europeus das importações de gás russo levanta preocupações sobre a segurança energética, alerta a Crédito Y Caución (CyC).

“As exportações de gás da Rússia para a Europa não param de crescer e a Rússia está a fortalecer  o seu controlo sobre o mercado europeu de gás”, alerta o mais recente relatório da seguradora de crédito, Crédito y Caución, centrado na análise à evolução do gás na Europa da OCDE, região definida pela Agência Internacional de Energia da qual fazem parte os países da União Europeia, Islândia, Noruega, Suíça e Israel.

Entendendo que “as alternativas são limitadas”, a CyC adianta, em comunicado, não esperar que a Rússia perca a sua posição dominante no mercado europeu, e lembra as “preocupações com a segurança energética geradas pela crescente dependência das importações russas”. Importa recordar que, em 2016, as importações provenientes da Rússia cobriram 36% do consumo de gás na União Europeia, um valor que compara com os 24% registados em 2010. “A percentagem é superior a 80% em alguns países europeus, como os Estados Bálticos, a Finlândia, Eslováquia, República Checa e Bulgária”, é ainda frisado no relatório.

Ao caracterizar o mercado europeu do gás, os analistas sublinham o aumento do consumo desde 2014, impulsionado pela recuperação económica continuada e pela utilização adicional de gás no setor da produção de eletricidade, num contexto de queda da produção nos Países Baixos e no Reino Unido que não conseguiu compensar a recuperação na Noruega. De acordo com as previsões do relatório, a crescente diferença entre consumo e produção na OCDE aumentará as necessidades de importação dos 200 mil milhões de metros cúbicos (MMm3) de 2016 para cerca de 290 MMm3 em 2022.

Neste contexto, a Rússia, a maior produtora de gás da Europa, assume-se como “uma candidata natural para atender às crescentes necessidades dos países europeus”. Em 2017, forneceu 192 MMm3  de gás para a Europa, face aos 159 MMm3 em 2015, e possui capacidade de produção adicional de aproximadamente 150 MMm3 para responder à procura dos próximos anos.

Importa ainda reter o facto de a Rússia fornecer gás “relativamente barato” através de uma rede de gasodutos para os países europeus e estar a desenvolver instalações de gás natural liquefeito.

Para os analistas, a única alternativa a médio prazo para o gás russo é o corredor que ligará a Europa aos campos de gás no Mar Cáspio, que poderão estar disponíveis a partir de 2020. A sua capacidade inicial representará apenas 10 MMm3.

Outra alternativa, acrescenta, é a importação de gás natural liquefeito, que permite o transporte por navio, dos principais produtores mundiais, como os EUA, Austrália e Qatar. Com capacidade para regaseificar cerca de 230 MMm3 por ano, com uma taxa de utilização atual de 20%, a Europa está bem posicionada para importar mais gás natural liquefeito. No entanto, o relatório aponta que o gás natural liquefeito é mais caro que o de gasoduto.

Ler mais
Recomendadas

Lucros da REN recuam 8,1% em 2018 devido à CESE

REN anunciou redução dos lucros em 2018 e justificou a quebra com a subida da taxa de imposto.

34 anos depois, Wall Street volta a ‘vestir’ Levi Strauss. Regresso com subida superior a 30%

Para regressar aos mercados, a empresa colocou em circulação 36,66 milhões de ações, que chegaram aos investidores com um preço fixado de 17 dólares por título, um valor superior ao valor de referência fixado na oferta de saída que se situava entre os 14 e os 16 dólares.

Grupo Sonae investiu 1,2 mil milhões em 2018

O grupo não está preocupado com a entrada da Mercadona no território nacional – “já enfrentámos franceses e alemães”. E, por outro lado, ainda não desistiu de todo do IPO que, em 2018, não conseguiu levar por diante com a Sonae MC.
Comentários