Ryanair: greve dos pilotos obriga a cancelamento de 150 voos de e para a Alemanha

Protesto alemão antecede uma greve europeia que deverá ser oficializada na quinta-feira em Bruxelas, por sindicatos italianos, portugueses, espanhóis e belgas dos trabalhadores da Ryanair.

Ler mais

A transportadora aérea Ryanair anunciou hoje que 150 de um total de 400 voos de e para a Alemanha serão cancelados na quarta-feira devido à “desnecessária greve de pilotos”, lê-se em comunicado.

A companhia aérea de baixo custo referiu que o sindicato VC convocou uma “greve surpresa (com um aviso de 24 horas) e desnecessária” na Alemanha para dia 12, acrescentando o desejo em “completar a maioria do seu horário”, pelo que “lamentavelmente se vê forçada a cancelar 150 de 400 voos de/para a Alemanha”.

Os clientes afetados foram contactados esta manhã com opções alternativas.

O responsável de ‘marketing’ da Ryanair, Kenny Jacobs, citado no comunicado, condenou a decisão do VC de convocar a greve num curto espaço de tempo e quando a transportadora tinha concordado numa mediação independente, em negociar contratos legais e aumentar salários aos pilotos alemães.

O protesto alemão antecede uma greve europeia que deverá ser oficializada na quinta-feira em Bruxelas, por sindicatos italianos, portugueses, espanhóis e belgas dos trabalhadores da Ryanair.

A imprensa internacional tem referido 28 de setembro como o dia para a maior greve da história da companhia, mas fontes sindicais nacionais contactadas pela agência Lusa garantem não haver ainda data oficializada para o protesto.

A Ryanair tem estado envolvida num conflito com sindicatos a nível europeu, incluindo Portugal, onde tripulantes de cabine realizaram greves no período da Páscoa e integraram um protesto europeu no final de julho.

Recomendadas

Inquérito/Energia: Pedro Rezende disse que Manso Neto assumiu a negociação dos CMEC pela EDP

Segundo o antigo administrador, à época, “toda a gente”, começando na Comissão Europeia, passando pelos diferentes governos e operadores, “acreditava firmemente que a liberalização do mercado ia descer os preços” da energia.

Lesados do BES: “Há centenas de queixas e o Ministério Público não dá seguimento”

Em declarações à Lusa, António Silva, um dos porta-vozes do grupo, garantiu que os lesados avançaram com queixas na justiça contra gerentes do antigo BES, mas não estão a ver resultados.

Associação de lesados do Banif espera solução até final de dezembro

Entre os lesados estão cerca de 3.500 obrigacionistas, grande parte das regiões autónomas da Madeira e dos Açores, mas também das comunidades portuguesas na África do Sul, Venezuela e Estados Unidos, num total de perdas de 263 milhões de euros.
Comentários