Saiba quais são os dez países menos arriscados para investir

O norte da Europa destaca-se pelo baixo risco entre os mercados mundiais, segundo o relatório EuroMoney Country Risk, no último trimestre do ano passado. No entanto, o primeiro lugar pertence a um país asiático.

Segue-se a economia de Singapura (3º)…

Com os bancos centrais a aumentarem a liquidez disponível do mercado, a inflação a não se mostrar problemática nos países desenvolvidos e o comércio global ainda a passar imune a quaisquer problemas, o risco global mantinha-se reduzido no final do ano passado, de acordo com uma análise do EuroMoney. As conclusões do site de informação financeira destacam a estabilidade do norte da Europa.

O EuroMoney avaliou a estabilidade política e económica e determinou os 10 países menos arriscados para investir:

  1. Singapura
  2. Noruega
  3. Suíça
  4. Dinamarca
  5. Suécia
  6. Luxemburgo
  7. Holanda
  8. Finlândia
  9. Canadá
  10. Austrália

O ranking trimestral é composto com base na opinião ponderada de 400 especialistas (maioritariamente economistas) sobre três aspetos qualitativos – risco político, performance económica e avaliação estrutural -, bem como critérios quantitativos – dívida, rating e acesso a financiamento bancário ou mercados de capitais.

Recomendadas

Vai arrendar casa? Informe-se sobre o Contrato Promessa de Arrendamento

Portugal é tipicamente um país de proprietários de imóveis, mas a partir da geração millennial que a procura pelo arrendamento tem crescido, o que em parte se deve à grande mobilidade e ainda à dificuldade de obter crédito habitação como consequência da última crise económico-financeira.

Natixis quer contratar mais 150 colaboradores para Portugal até ao próximo ano

Divisão internacional de banca empresarial e de investimento, de gestão de ativos, de seguros e serviços financeiros do Groupe BPCE instalou o centro de IT no Porto, em 2016, e pretende recrutar na área da tecnologia.

O que é e quem pode aceder a microcrédito?

Criado para as economias dos países em vias de desenvolvimento, o microcrédito entrou também nas práticas das economias desenvolvidas. Em Portugal, existe o programa ‘Sou Mais’.
Comentários