“Saio sem nenhuma inimizade”: Luís Montenegro despede-se do Parlamento

Anterior líder da bancada social-democrata deixa todos os cargos partidários depois, e por causa de, Rui Rio ter assumido a liderança dos social-democratas. Como vai continuar por aí, pode ser que volte ao parlamento.

O anterior líder da bancada parlamentar do PSD, Luís Montenegro, despediu-se esta quinta-feira do Parlamento, onde este 16 anos, os últimos sete dos quais à frente do agregado social-democrata, que deixa em clara desavença com a nova liderança de Rui Rio.

Mas o tempo não era de desavenças, e a última intervenção de Montenegro no Parlamento – até ver – foi marcada pela troca de encómios entre diversas personalidades, como é costume nestas ocasiões. Montenegro quis mesmo saudar em particular todos os que de algum modo têm a ver com “o mundo parlamentar”, tendo mesmo tido a lembrança de juntar os jornalistas que normalmente acompanham os trabalhos da assembleia aos membros do Governo, deputados, assessores e funcionários.

Já antes, o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, lhe tinha dirigido palavras de conforto, comentando a “cordialidade e lealdade para com os adversários” que sempre caraterizaram, na sua ótica, a intervenção de Luís Montenegro. Não será essa, possivelmente, a ótica de todos os deputados que com ele esgrimiram argumentos e mais prosaicamente ‘ferroadas’ políticas, mas o tempo de despedidas é sempre um tempo de limar as arestas mais bicudas.

Terá sido por isso que o antigo líder parlamentar disse que “creio poder dizer que saio sem nenhuma inimizade”, retribuindo a “amabilidade” de Ferro Rodrigues. Neste capítulo, o das amizades, Montenegro destacou o deputado Nuno Magalhães, do CDS-PP, que consigo “suportou no Parlamento o único Governo de coligação que conseguiu aguentar uma legislatura inteira”.

Recorde-se que, ao longo da última legislatura, Luís Montenegro foi sempre muito crítico do atual governo, usando muitas vezes linguagem de violência política notadamente clara. Ainda recentemente afirmou que a atual solução governativa “não vai ficar para a história senão por juntar três partidos, não por mais nada”.

Montenegro foi um dos mais próximos colaboradores de Pedro Passos Coelho e a entrada de Rui Rio na cena política como presidente dos social-democratas fez com decidisse de imediato afastar-se dos cargos partidários que ocupava. Entretanto, e ainda durante o congresso de janeiro, onde Rio tomou posse, Montenegro assegurou que vai ‘monitorizar’ o novo elenco, tendo deixado no ar que poderá – num futuro que pode não ser muito longínquo – regressar para disputar a liderança do PSD.

No Parlamento, Montenegro disse ainda que “levo comigo a convicção de que o populismo é o pai da mediocridade e a mediocridade é a mãe da pobreza”, sem especificar outros parentescos.

Ler mais
Recomendadas

Parlamento discute hoje e vota referendo sobre a eutanásia na sexta-feira

O parlamento discute hoje e vota na sexta-feira uma proposta de referendo sobre a eutanásia, que divide direita e esquerda, mas em que há um bloco maioritário para a “chumbar”, do PS, BE, PCP, PAN e PEV.

OE2021: Federação sindical pediu alterações ao BE e ao PS

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) pediu hoje aos deputados do Bloco de Esquerda e do Partido Socialista que proponham alterações ao Orçamento do Estado (OE) para 2021 que respondam às reivindicações dos funcionários públicos.

Marcelo promulga diploma que reduz debates europeus na AR para dois por semestre

O Presidente da República promulgou hoje o diploma aprovado por PS e PSD que reduz os debates europeus no parlamento para dois por semestre, depois de ter vetado uma primeira versão que previa apenas um por semestre.
Comentários