Salão Imobiliário de Portugal vai receber mais investidores estrangeiros

A 21ª edição do SIL tem início esta quarta-feira, 3 de outubro e decorre até ao próximo domingo, 7 de outubro, na Feira Internacional de Lisboa (FIL) e tem como objetivo alcançar os 65 mil visitantes.

A 21ª edição do Salão Imobiliário de Portugal (SIL) irá receber mais buyers internacionais (150), dado que o investimento estrangeiro representou 20% do total das transações habitacionais. O evento arranca esta quarta-feira, 3 de outubro e decorre até domingo, 7 de outubro, na Feira Internacional de Lisboa (FIL), localizada no Parque das Nações.

Este número de investidores mais do que duplica, quando comparado com a edição de 2016 (70) e regista um crescimento de mais 50 buyers internacionais, face aos 100 de 2017. Tendo em conta este crescimento, o SIL preparou este ano um espaço para encontros de investidores e reuniões privadas com os hosted buyers.

.No total os 40.000 mil m2 vão ser divididos por quatro pavilhões compostos por quatro feiras: “Intercasa” no pavilhão 1; Salão Imobiliário de Portugal nos pavilhões 2 e 3; Lisboa Design Show (LxD) e Vintage Festival, no pavilhão 4.

Para este ano a organização vai contar com 350 expositores, mais 20 do que no último e 90 do que em 2016, além de ter como objetivo atingir os 65 mil visitantes ao longo dos cinco dias de exposição.

A edição deste ano irá trazer a Região Autónoma da Madeira e a cidade do Seixal, como convidadas do evento, de modo a poderem mostrar os seus projetos.

Recomendadas

OE2019: Proprietários contra propostas de taxa municipal e agravamento de IMI

As associações de proprietários classificaram hoje de completa e total injustiça as propostas do Orçamento do Estado (OE) de criação de uma taxa municipal de proteção civil e o agravamento do IMI de imóveis devolutos para promover a reabilitação.

Só 10% das habitações destruídas nos incêndios estão recuperadas

Das 366 casas que arderam nos incêndios de 2017 apenas 36 estão prontas. Obras de empreiteiros não cumprirão o prazo contratual.

Edifícios podem poupar cerca de 30% de água

Depois da eficiência energética é a vez da hídrica entrar no dicionário dos portugueses. É prioritário poupar na eletricidade mas também na água.
Comentários