PremiumSamuel Martins: o gestor português no topo da Microsoft

Vive em Seattle com a família mas todos os anos regressa a Porto de Mós, no distrito de Leiria, para matar saudades da vila. Tem saudades dos amigos, das serras e da vila. A qualidade de vida desta cidade norte-americana e a Natureza “fora do comum” ajudam a passar o tempo livre e a inspirar-se para o novo desafio profissional que abraçou há dias.

“Iniciei funções de Diretor na Microsoft em Novembro, na área de Desenvolvimento de Negócio e Estratégia. A minha equipa é responsável por parcerias com grandes empresas na área da saúde para acelerar a transformação digital (Inteligência Artificial, Cloud, Internet of Things, Blockchain, Big Data, etc.). Estas parcerias exigem o desenvolvimento de uma visão estratégica, de modelos de negócio e a coordenação de várias equipas internas que apoiam o cliente na execução. A minha equipa é responsável por este processo. É sem dúvida uma oportunidade única para aprender mais sobre este setor, num período de revolução tecnológica que irá afetar hospitais, médicos, seguradoras, indústria farmacêutica ou farmácias”, diz ao Jornal Económico.

Samuel Martins, natural de Porto de Mós, tinha um dos cargos de maior responsabilidade na Fundação Bill e Melinda Gates: diretor-adjunto de Estratégia, Planeamento e Gestão das equipas de desenvolvimento de produtos: “Vaccine Development” e “Integrated Development”. Estas equipas apoiam o desenvolvimento de novas vacinas, medicamentos, diagnósticos e outras ferramentas.

 

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Herdade da Comporta: a essência está na terra e nas gentes

O consórcio Vanguard Properties e Amorim Luxury prepara-se para comprar os ativos da Herdade da Comporta por 158 milhões de euros. O impacto do imobiliário e do turismo pode quebrar uma harmonia que persiste há décadas.

Carlos Gaspar: “É preciso ser corajoso para ser moderado”

Raymond Aron foi um dos grandes intelectuais do séculoXX. Filósofo, cientista político e jornalista, francês e judeu,patriota e cosmopolita, marcou de forma profunda a leitura política daquele tempo. No livro “Raymond Aron e a Guerra Fria”, Carlos Gaspar traça o percurso desta figura e, através dele, dá-nos um importante enquadramento de leitura para as dinâmicas políticas dos dias de hoje.

PremiumAs duas dimensões dos países bálticos: o Natal e o centenário da independência

A Letónia e restantes países bálticos Lituânia e Estónia têm celebrado ao longo deste ano o centenário da Independência e Proclamação das suas primeiras Repúblicas, cuja declaração se realizou em 1918.
Comentários