PremiumSamuel Martins: o gestor português no topo da Microsoft

Vive em Seattle com a família mas todos os anos regressa a Porto de Mós, no distrito de Leiria, para matar saudades da vila. Tem saudades dos amigos, das serras e da vila. A qualidade de vida desta cidade norte-americana e a Natureza “fora do comum” ajudam a passar o tempo livre e a inspirar-se para o novo desafio profissional que abraçou há dias.

“Iniciei funções de Diretor na Microsoft em Novembro, na área de Desenvolvimento de Negócio e Estratégia. A minha equipa é responsável por parcerias com grandes empresas na área da saúde para acelerar a transformação digital (Inteligência Artificial, Cloud, Internet of Things, Blockchain, Big Data, etc.). Estas parcerias exigem o desenvolvimento de uma visão estratégica, de modelos de negócio e a coordenação de várias equipas internas que apoiam o cliente na execução. A minha equipa é responsável por este processo. É sem dúvida uma oportunidade única para aprender mais sobre este setor, num período de revolução tecnológica que irá afetar hospitais, médicos, seguradoras, indústria farmacêutica ou farmácias”, diz ao Jornal Económico.

Samuel Martins, natural de Porto de Mós, tinha um dos cargos de maior responsabilidade na Fundação Bill e Melinda Gates: diretor-adjunto de Estratégia, Planeamento e Gestão das equipas de desenvolvimento de produtos: “Vaccine Development” e “Integrated Development”. Estas equipas apoiam o desenvolvimento de novas vacinas, medicamentos, diagnósticos e outras ferramentas.

 

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumGoverno enviou Margarida Corrêa de Aguiar e Caldeira Cabral para a CRESAP

O Ministério das Finanças quer acelerar as nomeações do regulador dos seguros por causa da reforma da supervisão financeira.

PremiumEstado investe 140 milhões de euros no Porto de Leixões

As empresas privadas a operar no Porto de Leixões têm investido no aumento da capacidade de resposta daquela infraestrutura e na modernização das operações, mas estão à espera que o Governo faça a sua parte.

PremiumVentos de abrandamento irão continuar a soprar

Crescimento do PIB de 2,1% em 2018, abaixo do valor do ano anterior e das expetativas do Governo, não deverá significar o fim da desaceleração económica. Pessimismo das instituições internacionais está em sintonia com todas as projeções para 2019.
Comentários