Sanções dos EUA ao Irão levam petróleo a atingir o valor mais alto desde novembro

O preço do barril de Brent valia 74,67 dólares esta manhã, o valor mais elevado desde novembro. Antes da reimposição das sanções dos EUA, o Irão exportava diariamente três milhões de barris de petróleo.

Os preços do petróleo atingiram o nível mais elevado desde novembro, revela a agência “Reuters” esta terça-feira. O preço do barril de Brent valia 74,67 dólares esta manhã. O valor mais elevado tinha sido registado em novembro de 2018, 74,70 dólares por barril.

Os futuros do petróleo bruto West Texas Intermediate dos EUA marcaram o seu valor mais elevado desde outubro de 2018, 66,14 dólares por barril, um aumento de 59 cêntimos em relação ao preço anterior.

Na segunda-feira, os Estados Unidos exigiram que os compradores de petróleo iraniano parem de comprar até 1º de maio ou enfrentam novas sanções, encerrando seis meses de revogações que permitiram que os oito maiores compradores do Irão, a maioria na Ásia, continuassem a importar volumes limitados.

Antes da reimposição de sanções no ano passado, o Irão era o quarto maior produtor da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) com cerca de três milhões de barris por dia, mas as exportações de abril caíram para menos de um milhão segundo fontes da indústria.

O presidente dos EUA Donald Trump está confiante de que a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos cumprirão as suas promessas de compensar a diferença nos mercados de petróleo, referiu um representante da Casa Branca à imprensa.

A Arábia Saudita é o maior exportador de petróleo do mundo e líder da OPEP, que liderou os cortes de oferta global desde o início do ano, com o objetivo de sustentar os preços do petróleo. O banco Barclays emitiu uma nota de que a decisão dos EUA apanhou muitas entidades do mercado de surpresa e que “levará a um aperto significativo dos mercados de petróleo”.

A medida para aumentar a pressão sobre o Irão surge no meio de outras sanções impostas por Washington às exportações de petróleo da Venezuela.

Ler mais
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários