Saneamento no PSD? “Não houve nem haverá”, garante Fernando Negrão

“Nunca silenciámos nenhum deputado e nunca recebemos qualquer instrução da direção do partido no sentido de silenciar o deputado A ou B”, assegurou Fernando Negrão, questionado pelos jornalistas à porta do grupo parlamentar do PSD.

O líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, rejeitou hoje que algum deputado do PSD tenha sido silenciado por si ou por instruções da direção, salientando ser natural que os protagonistas mudem quando a liderança do partido muda.

“Nunca silenciámos nenhum deputado e nunca recebemos qualquer instrução da direção do partido no sentido de silenciar o deputado A ou B”, assegurou Fernando Negrão, questionado pelos jornalistas à porta do grupo parlamentar do PSD.

Depois de uma reunião da bancada, hoje de manhã, na qual ouviu críticas de que alguns deputados estariam a ser silenciados – que partiram da antiga vice-presidente da bancada Teresa Morais e foram apoiadas por outros parlamentares -, Negrão disse ter ouvido essas palavras “com naturalidade”, uma vez que “todos os deputados são livres de fazer as críticas que entenderem”.

“Sabem bem ou tão bem como eu que houve uma mudança de direção do partido, quando há mudança os protagonistas normalmente mudam, mas isto não quer dizer que os progonistas anteriores sejam saneados. Não houve nenhum saneamento nem haverá”, afirmou.

No entanto, Negrão apontou existirem casos de deputados a quem é pedido para usar da palavra, em conferências de imprensa, em plenário ou em comissões, e que dizem que “não estão disponíveis”.

“Naturalmente que não quero personalizar”, afirmou, dizendo que há “razões legítimas” para tal recusa, como não partilhar da opinião da direção do partido sobre determinada matéria ou não acompanhar o ‘dossier’ desde o início.

Ler mais
Recomendadas

Premium“Centeno não vai deixar uma vida fácil ao sucessor”, alerta porta-voz do PSD para as Finanças

Joaquim Miranda Sarmento, professor universitário e porta-voz do PSD para a área das Finanças, defende que este Orçamento é “eleitoralista e facilitista”, com um “excesso de otimismo” que desprotege o país face aos riscos.

Sindicato dos estivadores recusa reunir com o Governo

O Sindicato dos Estivadores Conferentes e Tráfego dos Portos do Douro e Leixões recusa-se a comparecer na reunião desta quinta-feira com a ministra do Mar, em Matosinhos, que diz servir para tentar um acordo com outro sindicato.

Respostas Rápidas. O que vai mudar nas reformas antecipadas?

As contas para a reforma são sempre complicadas, não só por causa da complexidade do sistema, qualquer que ele seja, mas porque os parâmetros estão constantemente a mudar. O ministro Vieira da Silva veio clarificar a lei.
Comentários