Saneamento no PSD? “Não houve nem haverá”, garante Fernando Negrão

“Nunca silenciámos nenhum deputado e nunca recebemos qualquer instrução da direção do partido no sentido de silenciar o deputado A ou B”, assegurou Fernando Negrão, questionado pelos jornalistas à porta do grupo parlamentar do PSD.

O líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, rejeitou hoje que algum deputado do PSD tenha sido silenciado por si ou por instruções da direção, salientando ser natural que os protagonistas mudem quando a liderança do partido muda.

“Nunca silenciámos nenhum deputado e nunca recebemos qualquer instrução da direção do partido no sentido de silenciar o deputado A ou B”, assegurou Fernando Negrão, questionado pelos jornalistas à porta do grupo parlamentar do PSD.

Depois de uma reunião da bancada, hoje de manhã, na qual ouviu críticas de que alguns deputados estariam a ser silenciados – que partiram da antiga vice-presidente da bancada Teresa Morais e foram apoiadas por outros parlamentares -, Negrão disse ter ouvido essas palavras “com naturalidade”, uma vez que “todos os deputados são livres de fazer as críticas que entenderem”.

“Sabem bem ou tão bem como eu que houve uma mudança de direção do partido, quando há mudança os protagonistas normalmente mudam, mas isto não quer dizer que os progonistas anteriores sejam saneados. Não houve nenhum saneamento nem haverá”, afirmou.

No entanto, Negrão apontou existirem casos de deputados a quem é pedido para usar da palavra, em conferências de imprensa, em plenário ou em comissões, e que dizem que “não estão disponíveis”.

“Naturalmente que não quero personalizar”, afirmou, dizendo que há “razões legítimas” para tal recusa, como não partilhar da opinião da direção do partido sobre determinada matéria ou não acompanhar o ‘dossier’ desde o início.

Ler mais
Recomendadas

Jerónimo de Sousa diz que PSD é um “pronto-socorro” e CDS-PP é um “atrelado” do Governo

O secretário-geral do PCP acusou os partidos da direita de se aliarem ao Governo do PS no que respeita à legislação laboral. Por outro lado, voltou a defender um aumento do salário mínimo nacional que “não se limite aos 600 euros” em 2019.

Catarina Martins: “Existem estrangulamentos injustificáveis nos serviços públicos”

A líder do Bloco de Esquerda acusa “os partidos da direita” de “hipocrisia” por “defenderem as reivindicações sindicais”, alerta para “estrangulamentos injustificáveis nos serviços públicos” e diz que “não faz sentido esta corrida para o défice zero”.

PSD acusa Governo de “destruir” Serviço Nacional de Saúde

No último debate quinzenal do ano, Fernando Negrão considerou que as políticas adotadas na área da saúde são “as mais preocupantes” desta legislatura e afirmou que o Governo não tem “respeito nenhum” pelos sindicatos e pelas ordens.
Comentários