Saneamento no PSD? “Não houve nem haverá”, garante Fernando Negrão

“Nunca silenciámos nenhum deputado e nunca recebemos qualquer instrução da direção do partido no sentido de silenciar o deputado A ou B”, assegurou Fernando Negrão, questionado pelos jornalistas à porta do grupo parlamentar do PSD.

O líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, rejeitou hoje que algum deputado do PSD tenha sido silenciado por si ou por instruções da direção, salientando ser natural que os protagonistas mudem quando a liderança do partido muda.

“Nunca silenciámos nenhum deputado e nunca recebemos qualquer instrução da direção do partido no sentido de silenciar o deputado A ou B”, assegurou Fernando Negrão, questionado pelos jornalistas à porta do grupo parlamentar do PSD.

Depois de uma reunião da bancada, hoje de manhã, na qual ouviu críticas de que alguns deputados estariam a ser silenciados – que partiram da antiga vice-presidente da bancada Teresa Morais e foram apoiadas por outros parlamentares -, Negrão disse ter ouvido essas palavras “com naturalidade”, uma vez que “todos os deputados são livres de fazer as críticas que entenderem”.

“Sabem bem ou tão bem como eu que houve uma mudança de direção do partido, quando há mudança os protagonistas normalmente mudam, mas isto não quer dizer que os progonistas anteriores sejam saneados. Não houve nenhum saneamento nem haverá”, afirmou.

No entanto, Negrão apontou existirem casos de deputados a quem é pedido para usar da palavra, em conferências de imprensa, em plenário ou em comissões, e que dizem que “não estão disponíveis”.

“Naturalmente que não quero personalizar”, afirmou, dizendo que há “razões legítimas” para tal recusa, como não partilhar da opinião da direção do partido sobre determinada matéria ou não acompanhar o ‘dossier’ desde o início.

Ler mais
Recomendadas

Presidente do PSD admite propor revisão constitucional

Rui Rio defendeu este sábado que “ninguém quer políticos na justiça”, mas rejeitou também “a gestão de processos judiciais em função de objetivos de natureza política”, admitindo propor uma revisão constitucional para reformar o setor.

José Sócrates nega ter mestrado na Sorbonne

O ex-primeiro ministro reagiu ao final da tarde deste sábado à manchete do semanário “Expresso”: “Julgo, portanto, difícil tirarem-me o que nunca tive”.

Rui Rio admite que 2019 não é altura propícia para reformas estruturais urgentes

O presidente do PSD admitiu este sábado que este ano, com diversas eleições, “não é a altura propícia” para o conjunto alargado de reformas estruturais urgentes, criticando a ausência de cultura do diálogo que impediu estes entendimentos.
Comentários