Santana Lopes considera que falsas presenças na Assembleia são um “insulto à democracia”

O partido diz que estas situações têm vindo a enfraquecer o Parlamento e defende que “importa apurar a verdade e agir sem contemplações”.

O Aliança, novo partido fundado por Pedro Santana Lopes, considera que as falsas presenças e as votações fraudulentas na Assembleia da República são um “insulto à democracia”. O partido diz que estas situações têm vindo a enfraquecer o Parlamento e defende que “importa apurar a verdade e agir sem contemplações”.

“Consideramos um insulto à Democracia aquilo que se tem passado na Assembleia da República com falsas moradas, falsas presenças e falsas votações”, afirma o partido, num post publicado no Facebook.

O Aliança defende que a situação das presenças “fantasma” e a situação das moradas falsas e pagamentos indevidos por viagens “contribuem para o descrédito do Parlamento” e que, por isso, “exigem um procedimento imediato de clarificação e imposição da Ética e da legalidade”. “Quem está na vida política e representa os seus concidadãos tem de dar o exemplo do respeito pela Lei e, também, da Moral”, sublinha a Comissão Instaladora Nacional do partido.

“Estas situações só contribuem para afastar os cidadãos da Política e também ajudam a explicar o aumento da abstenção, por exemplo, de 17,3%, nas legislativas de 1979 para 44,14%, nas legislativas de 2015”, afirma. “Queremos mudar este paradigma e de uma vez por todas limpar as instituições deste estado degradado em que se encontram, devolvendo-lhes a credibilidade e respeito que devem merecer”.

Recomendadas

Conclusões de Tancos vão ditar futuro da PJ Militar

Alegado envolvimento e comprometimento da investigação a Tancos pela PJ Militar desagrada a todos os partidos. Deputados aguardam encerramento da comissão de inquérito para proporem mudanças. Existência dessa entidade pode ser reconsiderada.

Presidente de Angola atribui 58 milhões de euros para criar 500 mil empregos até 2021

Segundo os mais recentes dados do INE, referentes a 2018, a que a Lusa teve acesso sábado, a taxa de desemprego em Angola situa-se nos 28,8%.

Sérgio Moro em Portugal para debater Justiça e Segurança no Fórum Jurídico de Lisboa

“O tema da Justiça e Segurança é extraordinariamente importante para a parte brasileira”, referiu à Lusa o professor catedrático, presidente do ICJD e coordenador científico do CIDP, Carlos Blanco de Morais, um dos três elementos da coordenação científica do VII Fórum Jurídico-Científico.
Comentários