Santana Lopes diz que “seria gravíssimo” se algum deputado tivesse declarado uma falsa presença

O antigo primeiro-ministro foi questionado sobre o caso do deputado e secretário-geral do PSD, José Silvano, no final de uma audiência concedida pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, ao partido Aliança, no Palácio de Belém, em Lisboa.

O presidente da comissão instaladora do partido Aliança, Pedro Santana Lopes, considerou esta quinta-feira, 8 de novembro, que se algum deputado tivesse declarado uma falsa presença “isso seria gravíssimo”, ressalvando não estar a comentar o caso concreto de José Silvano.

O antigo primeiro-ministro foi questionado sobre o caso do deputado e secretário-geral do PSD, José Silvano, no final de uma audiência concedida pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, ao partido Aliança, no Palácio de Belém, em Lisboa.

Santana Lopes começou por dizer que não queria falar do caso concreto do deputado do seu ex-partido, mas que “a Aliança censura qualquer forma de comportamento indevido, nomeadamente ao nível do Estado, que se traduza na violação dos deveres de honestidade, de seriedade”.

Depois, mencionou que “o próprio senhor deputado nega que tenha feito algo de indevido, que alguém terá feito por ele”, e observou: “Não sei, caberá às entidades competentes [averiguar] mais uma vez, coitadas, não param, têm muito trabalho. Estarão a investigar”.

Reiterando que não queria falar do caso concreto de José Silvano, o antigo presidente do PSD acrescentou: “A mim não me passa pela cabeça – já exerci muitas funções públicas, privadas – que alguém seja remunerado ou diga que esteve presente num sítio onde não esteve. Ainda mais quando está a representar, que é algo de sagrado, os seus concidadãos”.

“Portanto, se isso fosse verdade, seria gravíssimo. Não sei se é, nem se não”, considerou Santana Lopes. “Não me quero referir ao caso concreto, estou a referir a posição de princípio”, ressalvou, logo de seguida.

Ler mais
Relacionadas

Silvano diz que não pediu a ninguém que registasse a sua presença e quer que PGR investigue

O deputado e secretário-geral do PSD José Silvano afirmou esta quinta-feira que não pediu a ninguém que registasse a sua presença em plenário quando faltou e disse querer que a Procuradoria-Geral da República (PGR) investigue o caso.

PGR analisa caso de José Silvano para decidir “se há procedimento a desencadear”

“A Procuradoria-Geral da República encontra-se a analisar os elementos que têm vindo a público com vista a decidir se há algum procedimento a desencadear no âmbito das competências do Ministério Público”, refere em resposta enviada à agência Lusa.

Secretário-geral do PSD garante que “não se aproveitou de dinheiros públicos”

José Silvano defende a conciliação “da atividade política intensa dos dirigentes nacionais dos partidos políticos” com “a atividade parlamentar quotidiana” e diz que pediu ao presidente da Assembleia da República para lhe marcar duas faltas injustificadas a reuniões plenárias.
Recomendadas

Presidente do PSD admite propor revisão constitucional

Rui Rio defendeu este sábado que “ninguém quer políticos na justiça”, mas rejeitou também “a gestão de processos judiciais em função de objetivos de natureza política”, admitindo propor uma revisão constitucional para reformar o setor.

José Sócrates nega ter mestrado na Sorbonne

O ex-primeiro ministro reagiu ao final da tarde deste sábado à manchete do semanário “Expresso”: “Julgo, portanto, difícil tirarem-me o que nunca tive”.

Rui Rio admite que 2019 não é altura propícia para reformas estruturais urgentes

O presidente do PSD admitiu este sábado que este ano, com diversas eleições, “não é a altura propícia” para o conjunto alargado de reformas estruturais urgentes, criticando a ausência de cultura do diálogo que impediu estes entendimentos.
Comentários