Santana quer Aliança entre “maiores partidos e aumentar “mercado eleitoral” do centro-direita

“Se tiver no mercado eleitoral, em vez de duas ofertas, três ofertas válidas, há condições para esse espaço político conseguir mais votos do que só com duas”, garantiu Pedro Santana Lopes.

O antigo primeiro-ministro Pedro Santana Lopes entregou hoje “mais de 12 mil assinaturas” no Tribunal Constitucional para iniciar o processo de formalização do novo partido Aliança, que quer entre “os maiores partidos da política portuguesa”.

“A Aliança nasce para concorrer a todos os atos eleitorais e nasce não para ter um dígito, nasce para ganhar um lugar entre os maiores partidos portugueses, isso exige muito trabalho, falar muito com as pessoas”, afirmou Santana Lopes, em declarações aos jornalistas, depois de entregar as assinaturas.

Questionado se entende, como disse a líder do CDS, Assunção Cristas, que a Aliança pode somar votos ao espaço de centro-direita, o ex-líder do PSD respondeu: “A líder do CDS tem feito análises bem lúcidas nesta matéria”, realçando que “há um desequilíbrio no número de forças políticas à esquerda e no centro direita”.

“Se tiver no mercado eleitoral, em vez de duas ofertas, três ofertas válidas, há condições para esse espaço político conseguir mais votos do que só com duas”, afirmou, manifestando intenção de ir conquistar eleitores à abstenção.

Sem nunca falar do líder do seu antigo partido, Santana Lopes chegou ao Tribunal Constitucional antes das 16:00 acompanhado de várias pessoas da sua estrutura, entre os quais duas caras conhecidas da social-democracia: o antigo autarca da Covilhã Carlos Pinto e a antiga secretária de Estado da Habitação Rosário Águas, que se desfiliaram recentemente do PSD para integrar este projeto.

“A minha preocupação não é o PSD, o CDS ou outros partidos. A minha questão é formar a identidade da Aliança. Não queremos ser sucedâneos ou sucessores de nenhuma outra instituição”, salientou, interrogado se irão aparecer mais figuras do seu anterior partido na Aliança.

Questionado se o atual presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, poderá ser o cabeça de lista do partido às eleições europeias, Santana elogiou as suas qualidades, mas disse que esse assunto não foi abordado entre os dois.

O antigo líder do PSD – que se desfiliou do partido no início de agosto – sublinhou não querer o título de “oposição mais agressiva”, mas da “que tem as melhores propostas para os portugueses”, apontando preocupações na área da saúde ou das prisões, por exemplo.

“Se quiserem pôr um rotulo na Aliança é: menos impostos, e por isso o Estado tem de consumir menos percentagem da riqueza nacional”, defendeu, manifestando a sua discordância com medidas como a distribuição de manuais gratuitos “para todos”, independentemente da condição económica.

Ler mais
Recomendadas

PremiumPersistem dúvidas sobre o aumento salarial dos funcionários públicos

Centeno reiterou que só há 50 milhões de euros para os aumentos salariais. PCP remete para negociação com sindicatos, BE vai insistir na especialidade.

Bloco de Esquerda quer acordo escrito com o PS para dar mais clareza às propostas

“Tem de ter como base compromissos mais vastos, compromissos com o país, como recuperar as pensões ou baixar o número de alunos por turma ou ter mais manuais gratuitos”, afirma a coordenadora do BE, Catarina Martins, numa entrevista conjunta ao jornal “Público” e à “Rádio Renascença”.

“Este orçamento aposta nas eleições”, critica Rui Rio

Rio escusou-se a revelar se o PSD votará contra este orçamento na votação na Assembleia da República, apontando que essa será uma decisão a ser tomada pelo partido.
Comentários