Santander dificulta acesso a isenções de comissões e aumenta custo de cartões

O Banco Santander prevê novos encargos para os seus clientes já em 2019.

Cristina Bernardo

O Banco Santander prevê novos encargos para os seus clientes já em 2019, nomeadamente o aumento da comissão de disponibilização de alguns cartões de débito e no acesso a isenções nas comissões de manutenção de contas à ordem e contas-ordenado, noticia o “Jornal de Negócios” esta quarta-feira.

Uma nova alteração ao preçário do banco já foi publicado no respetivo sítio. Em causa estão as comissões de disponibilização de cartão de débito, que antes eram conhecidas como anuidades, de dez cartões de débito. Assim, a partir de 7 de janeiro, a maioria dos cartões terá um custo anual de 18,64 euros, incluindo o imposto do selo, representando um aumento de 33,6%, em média, na despesa que os clientes do banco têm.

Sobre as condições de acesso à isenção da comissão de manutenção nas contas à ordem e também nas contas-ordenado, contas acionista e conta-empresário, a alteração prende-se com o saldo médio trimestral de recursos. Ou seja, até agora, os clientes conseguem isenção se tiverem um saldo médio trimestral de recursos superior a cinco mil euros, mas a partir de 7 de janeiro o caso muda de figura, uma vez que esse montante duplica.

Assim, só os clientes com um saldo médio trimestral de recursos superior a dez mil euro vão conseguir ficar isentos destas comissões.

Recomendadas

Investidores institucionais e de retalho levam Fundo Allianz AI a superar os mil milhões em património

Este fundo, lançado inicialmente na Europa em março de 2017, foi desenhado especificamente para beneficiar do potencial disruptivo da Inteligência Artificial (AI).

Pode o seu crédito habitação ser transferido para outra instituição bancária?

Instituições bancárias dispõe de um tempo limitado para dar informações relativas a este processo. Existem ainda comissões a pagar à instituição de crédito.

Mais de setenta portugueses nos “Paradise Papers”

Um ano após a nova fuga de informações, o Governo não avança se o Fisco desencadeou acções inspetivas sobre os cidadãos portugueses.
Comentários