Santander dificulta acesso a isenções de comissões e aumenta custo de cartões

O Banco Santander prevê novos encargos para os seus clientes já em 2019.

Cristina Bernardo

O Banco Santander prevê novos encargos para os seus clientes já em 2019, nomeadamente o aumento da comissão de disponibilização de alguns cartões de débito e no acesso a isenções nas comissões de manutenção de contas à ordem e contas-ordenado, noticia o “Jornal de Negócios” esta quarta-feira.

Uma nova alteração ao preçário do banco já foi publicado no respetivo sítio. Em causa estão as comissões de disponibilização de cartão de débito, que antes eram conhecidas como anuidades, de dez cartões de débito. Assim, a partir de 7 de janeiro, a maioria dos cartões terá um custo anual de 18,64 euros, incluindo o imposto do selo, representando um aumento de 33,6%, em média, na despesa que os clientes do banco têm.

Sobre as condições de acesso à isenção da comissão de manutenção nas contas à ordem e também nas contas-ordenado, contas acionista e conta-empresário, a alteração prende-se com o saldo médio trimestral de recursos. Ou seja, até agora, os clientes conseguem isenção se tiverem um saldo médio trimestral de recursos superior a cinco mil euros, mas a partir de 7 de janeiro o caso muda de figura, uma vez que esse montante duplica.

Assim, só os clientes com um saldo médio trimestral de recursos superior a dez mil euro vão conseguir ficar isentos destas comissões.

Recomendadas

FinTech provocaram a disrupção da cadeia de valor da banca

Parece consensual entre ‘experts’ que o futuro dos bancos passa por entrarem nas ‘apps’ do telemóvel e que as FinTech vão ser os seus parceiros da inovação tecnológica.

CGD baixa taxa mínima do spread para 1,23%. É o sexto banco a baixar custo do crédito à habitação

Em quatro meses, desde janeiro, seis bancos já reviram em baixa o spread mínimo cobrado aos clientes. O último a fazê-lo foi a CGD, depois do EuroBic, do BPI, do Crédito Agrícola, do Santander Totta e do Montepio.

Deutsche Bank envolvido em esquema de lavagem de dinheiro de 20 mil milhões de dólares sem saber

Ao que tudo indica, entre 2010 e 2014, criminosos russos com ligações ao Kremlin e com o FSB, o sucessor do antigo KGB, utilizaram a operação de lavagem de dinheiro, intitulada Global Laundromat, para colocar capital no sistema financeiro mundial.
Comentários