Santander prevê desaceleração do PIB de Portugal no terceiro trimestre

Banco prevê crescimento homólogo de 1,8%, ligeiramente abaixo do registado no segundo trimestre. Em cadeia, o PIB deverá ter avançado entre 0,2% e 0,3%.

O Santander prevê que o crescimento da economia portuguesa tenha desacelerado ligeiramente no terceiro trimestre. Em respostas ao Jornal Económico, fonte oficial do banco indica que o PIB deverá ter crescido em cadeia entre 0,2% e 0,3%, face aos 0,6% do segundo trimestre. Em termos homólogos, deverá haver uma evolução homóloga “em redor de 1,8%”, menos 0,1 ponto percentual face ao registado nos três meses anteriores.

“O consumo privado deverá ter desacelerado em termos homólogos, fruto de uma potencial queda do consumo de bens duradouros. O investimento também poderá ter abrandado, fruto do aumento da incerteza relacionado com a conjuntura internacional, em especial ao impacto latente de um Brexit sem acordo e guerras comerciais”, explica o banco.

Já as exportações “poderão ter acelerado em termos homólogos, apesar do impacto negativo do encerramento da refinaria de Sines em setembro”, enquanto as importações “deverão ter desacelerado, embora o impacto da aquisição de aviões e do encerramento da refinaria de Sines, possa ter mitigado ou mesmo revertido essa tendência”.

Esta quinta-feira, o Instituto Nacional de Estatística publica o PIB do terceiro trimestre, depois de uma expansão de 1,9% em termos homólogos, e 0,6% em cadeia entre abril e junho. O Governo projeta que o PIB cresça 1,9% este ano, segundo o esboço orçamental para 2020.

(Atualizado)

Recomendadas

Plataforma pela Scut quer abolição de portagens para residentes

A Plataforma pela Reposição das Scut na A23 e A25 quer a abolição imediata das portagens para residentes e um desconto de 50% para as restantes pessoas, mantendo a reivindicação pelo fim de todos os pagamentos durante a legislatura.

OE2020: Governo vai definir critérios setoriais para pré-reformas no Estado

O regime das pré-reformas na administração pública vai ter critérios setoriais que vão ser analisados pelos vários ministérios, disse hoje a ministra da Modernização do Estado, não se comprometendo com uma data de entrada em vigor da medida.

Fesap sai da reunião com “uma mão vazia e a outra cheia de nada”

O secretário-geral da Fesap, José Abraão, disse hoje que saiu da reunião com o Governo sobre matérias orçamentais para a administração pública com “uma mão vazia e a outra cheia de nada”, já que não foram apresentadas propostas concretas.
Comentários