Santander Universidades apoia programas internacionais de liderança para mulheres gestoras

A organização tem programas internacionais dirigidos a mulheres gestoras, empreendedoras e ligadas ao Ensino Superior, organizados pela Anderson School of Management na Universidade da Califórnia.

Ler mais

O Santander Universidades apoia a edição de 2018 dos programas de liderança W30 e W50 para mulheres gestoras e empreendedoras e também ligadas ao Ensino Superior, organizados pela Anderson School of Management na Universidade da Califórnia, Los Angeles (UCLA).

O Programa W30, que terá lugar entre os dias 11 e 14 de junho de 2018, “foi desenhado para mulheres que estão atualmente a exercer cargos de gestão em Instituições de Ensino Superior e que pretendam continuar a progredir neste domínio específico”, revela a instituição em comunicado.

O objetivo é as participantes “de ferramentas e conhecimentos que lhes permitam construir uma visão cada vez mais abrangente do Ensino Superior, contribuindo para o desenvolvimento de valências que lhes assegurem uma progressão cada vez maior na gestão destas instituições”. O apoio do Santander Universidades inclui o valor da propina, o material de apoio e o alojamento.

Quanto ao Programa Santander W50, terá lugar também entre 10 e 15 de junho. Lançado em 2011, o programa já tem mais de 400 alumnae de Universidades que pertencem à rede do Santander Universidades. “O W50 foi criado para mulheres gestoras com uma vasta experiência profissional, numa carreira marcada por resultados concretos”.

Através do Santander Universidades, o Banco Santander Totta ”assume o compromisso de promover as melhores práticas na resposta aos desafios da sociedade portuguesa, sendo já uma referência a nível nacional no que diz respeito à promoção do Ensino Superior”, diz ainda o comunicado. O banco investe anualmente cerca de sete milhões de euros na área de Responsabilidade Social e Corporativa.

 

Recomendadas

Metro de Lisboa lança concurso para compra de comboios

O atual Governo disponibilizou uma verba de 210 milhões de euros para a renovação da frota do Metropolitano de Lisboa.

Carlos Tavares diz que Concorrência e Bruxelas analisaram as propostas do Governo sem olhar para mercado ibérico de eletricidade

“Qualquer análise de concorrência tinha de ser feito no âmbito do mercado ibérico, o que foi totalmente esquecido no parecer da Autoridade da Concorrência que se baseava apenas no funcionamento do mercado fechado”, disse o ex-ministro que diz que “se há coisa que se arrepende é de ter sido Ministro da Economia”.

Serviço público dá prejuízo às farmácias, conclui estudo da ANF

Associação Nacional de Farmácias salienta as conclusões do estudo “Sustentabilidade da Dispensa de Medicamentos em Portugal”, realizado pela Universidade de Aveiro em colaboração com a sociedade de revisores oficiais de contas Oliveira, Reis & Associados.
Comentários