São as novas empresas que mais crescem, revela estudo da Iberinform

Insolvências com subida de 12,8% em relação a outubro de 2017, enquanto as constituições de novas empresas aumentaram 8,9%. No entanto, no acumulado, são as novas empresas que mais crescem.

Apesar do número de insolvências ter aumentado em outubro deste ano, no acumulado, são as novas empresas que mais crescem, revela uma análise da Iberinform. Os dados são do novo estudo conduzido pela empresa e que foi divulgado esta quinta feira, 8 de outubro.

Segundo o estudo, as insolvências – a impossibilidade de liquidar as dívidas da empresa – aumentaram com 732 empresas insolventes. Comparativamente a 2017, o aumento foi de 12,8%, ou seja, mais 83 empresas insolventes no período homólogo de 2017. O acumulado também apresenta valores acima dos verificados em 2017, com mais 133 insolvências (2,6%).

No entanto, em outubro houve um aumento nas constituições que evoluíram de 3.378 empresas em 2017 para 3.680 em 2018, mais 302 empresas em termos homólogos (8,9%). No acumulado, regista-se um aumento de 9,9% para um total de 37.825 novas empresas.

Os dados revelam também que até final de outubro, as ações de insolvência requerida diminuíram 1,3%, enquanto que as apresentações à insolvência pelas próprias empresas caíram 0,7%.

No fundo, os encerramentos com este tipo de plano diminuíram 33,7% e as declarações de insolvência, ou seja, conclusão de processos, aumentaram de 2.687 em 2017 para 2.875 em 2018.

Lisboa e Porto mantêm a liderança com totais de 1.393 e 1.229 insolvências, respetivamente. E relativamente aos números de constituições, o número mais significativo verifica-se em Lisboa, com 13.164 empresas, e um aumento de 14,3% face a 2017.

Ler mais
Recomendadas

Imposto sobre o tabaco agrava desequilíbrio na concorrência

Atualmente, Portugal é um mercado prioritário na estratégia da BAT que assenta a sua aposta na Nova Geração de Produtos (vapor, aquecido e híbrido), um segmento para o qual os portugueses revelam ter uma grande abertura.

João Lourenço confirma intenção da Sonangol em sair da Galp e BCP

Presidente angolano esclareceu que a Sonangol deverá “retirar-se de grande parte dos negócios e das participações em que está envolvida”, ainda que a petrolífera portuguesa esteja dentro do core business.

Miguel Maya quer mais operadores a pagar fatura do Novo Banco

CEO do Millennium BCP recordou que desde janeiro o BCP já pagou 45 milhões de contribuições para o Fundo de Resolução e por conta do imposto especial sobre a banca e defende uma “solução mais equitativa”.
Comentários