São as novas empresas que mais crescem, revela estudo da Iberinform

Insolvências com subida de 12,8% em relação a outubro de 2017, enquanto as constituições de novas empresas aumentaram 8,9%. No entanto, no acumulado, são as novas empresas que mais crescem.

Apesar do número de insolvências ter aumentado em outubro deste ano, no acumulado, são as novas empresas que mais crescem, revela uma análise da Iberinform. Os dados são do novo estudo conduzido pela empresa e que foi divulgado esta quinta feira, 8 de outubro.

Segundo o estudo, as insolvências – a impossibilidade de liquidar as dívidas da empresa – aumentaram com 732 empresas insolventes. Comparativamente a 2017, o aumento foi de 12,8%, ou seja, mais 83 empresas insolventes no período homólogo de 2017. O acumulado também apresenta valores acima dos verificados em 2017, com mais 133 insolvências (2,6%).

No entanto, em outubro houve um aumento nas constituições que evoluíram de 3.378 empresas em 2017 para 3.680 em 2018, mais 302 empresas em termos homólogos (8,9%). No acumulado, regista-se um aumento de 9,9% para um total de 37.825 novas empresas.

Os dados revelam também que até final de outubro, as ações de insolvência requerida diminuíram 1,3%, enquanto que as apresentações à insolvência pelas próprias empresas caíram 0,7%.

No fundo, os encerramentos com este tipo de plano diminuíram 33,7% e as declarações de insolvência, ou seja, conclusão de processos, aumentaram de 2.687 em 2017 para 2.875 em 2018.

Lisboa e Porto mantêm a liderança com totais de 1.393 e 1.229 insolvências, respetivamente. E relativamente aos números de constituições, o número mais significativo verifica-se em Lisboa, com 13.164 empresas, e um aumento de 14,3% face a 2017.

Ler mais
Recomendadas

34 anos depois, Wall Street volta a ‘vestir’ Levi Strauss. Regresso com subida superior a 30%

Para regressar aos mercados, a empresa colocou em circulação 36,66 milhões de ações, que chegaram aos investidores com um preço fixado de 17 dólares por título, um valor superior ao valor de referência fixado na oferta de saída que se situava entre os 14 e os 16 dólares.

Grupo Sonae investiu 1,2 mil milhões em 2018

O grupo não está preocupado com a entrada da Mercadona no território nacional – “já enfrentámos franceses e alemães”. E, por outro lado, ainda não desistiu de todo do IPO que, em 2018, não conseguiu levar por diante com a Sonae MC.

Economia digital: faturação das PME portuguesas atingiu os 97 milhões de euros

Segundo um estudo da PayPal, a internet permite que as pequenas e médias empresas acedam a “mais de 4,1 mil milhões de clientes de todo o mundo”. Ficou comprovado que a faturação das pequenas empresas portuguesas, sustentadas na economia digital, aumentou mais de 19% entre 2016 e 2017, para mais de 97 milhões de euros.
Comentários