São as novas empresas que mais crescem, revela estudo da Iberinform

Insolvências com subida de 12,8% em relação a outubro de 2017, enquanto as constituições de novas empresas aumentaram 8,9%. No entanto, no acumulado, são as novas empresas que mais crescem.

Apesar do número de insolvências ter aumentado em outubro deste ano, no acumulado, são as novas empresas que mais crescem, revela uma análise da Iberinform. Os dados são do novo estudo conduzido pela empresa e que foi divulgado esta quinta feira, 8 de outubro.

Segundo o estudo, as insolvências – a impossibilidade de liquidar as dívidas da empresa – aumentaram com 732 empresas insolventes. Comparativamente a 2017, o aumento foi de 12,8%, ou seja, mais 83 empresas insolventes no período homólogo de 2017. O acumulado também apresenta valores acima dos verificados em 2017, com mais 133 insolvências (2,6%).

No entanto, em outubro houve um aumento nas constituições que evoluíram de 3.378 empresas em 2017 para 3.680 em 2018, mais 302 empresas em termos homólogos (8,9%). No acumulado, regista-se um aumento de 9,9% para um total de 37.825 novas empresas.

Os dados revelam também que até final de outubro, as ações de insolvência requerida diminuíram 1,3%, enquanto que as apresentações à insolvência pelas próprias empresas caíram 0,7%.

No fundo, os encerramentos com este tipo de plano diminuíram 33,7% e as declarações de insolvência, ou seja, conclusão de processos, aumentaram de 2.687 em 2017 para 2.875 em 2018.

Lisboa e Porto mantêm a liderança com totais de 1.393 e 1.229 insolvências, respetivamente. E relativamente aos números de constituições, o número mais significativo verifica-se em Lisboa, com 13.164 empresas, e um aumento de 14,3% face a 2017.

Ler mais
Recomendadas

Maioria dos comerciantes europeus desconhece padrões de pagamento que chegam em setembro

Um estudo da Mastercard, realizado entre setembro e novembro de 2018, concluiu que 75% dos comerciantes com lojas online não sabe o que é a SCA (Strong Costumer Authentication), obrigatória no âmbito da nova Diretiva de Serviços de Pagamento (PSD2).

Cinco bancos angolanos lucraram 42 milhões de euros até dezembro

Banco Comercial do Huambo (BCH) e Banco Comercial Angolano (BCA) registaram os maiores lucros.

Ryanair revê em baixa previsão de lucros

A empresa liderada por Michael O’Leary atribuiu a revisão em baixa das previsões às greves convocadas pelos trabalhadores em vários países europeus durante o último verão.
Comentários