Saúde: três genéricos permitem poupança de 30 milhões de euros em 2017

Só um tratamento na área do cancro e outro contra o VIH permitiram uma redução de despesa de 25,5 milhões de euros.

Foto cedida

Os hospitais portugueses pouparam perto de 30 milhões de euros só com três genéricos, nos primeiros dez meses de 2017, informa o “Diário de Notícias” (DN) esta terça-feira. Só com dois medicamentos para o tratamento de cancro e VIH a poupança foi superior a 25 milhões de euros entre, janeiro e outubro.

Segundo dados da Autoridade do Medicamente (Infarmed), citados pelo DN, só um tratamento na área do cancro e outro contra o VIH permitiram uma redução de despesa de 25,5 milhões de euros, entre janeiro e outubro, em comparação com o mesmo período do ano passado. Poupança a que se juntaram os 2,2 milhões de euros num antibiótico usado em meio hospitalar.

Os dados agora conhecidos foram apresentados pelo Infarmed a meio deste mês, numa reunião da Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica. Os medicamentos responsáveis por uma poupança de quase 30 milhões de euros foram o imatinib, um medicamento da área de hematoncologia, e abacavir + lamivudina, dois medicamentos para o tratamento do VIH.

 

Relacionadas

Hospitais têm dívida superior a mil milhões de euros

Empresas em dificuldades têm vendido os créditos que têm junto dos hospitais a bancos e empresas de ‘factoring’.

Administradores hospitalares insistem em maior autonomia na gestão diária

Os administradores hospitalares acompanham as preocupações da tutela em ter modelos de financiamento que façam depender estes valores de indicadores qualidade, mas sublinham a necessidade de maior autonomia na gestão hospitalar.

Medicamentos em 2018 não podem baixar mais do que 10%

No próximo ano , o Governo vai manter próximo ano mecanismo excepcional no regime de revisão anual de preços dos medicamentos. Espanha, França e Itália são os países a considerar para a aprovação dos novos preços em 2018.
Recomendadas

Sindicatos médicos contestam critério de redução de listas de utentes

Os sindicatos médicos consideram a proposta de Orçamento do Estado “meramente eleitoralista” e contestam que a redução da lista de utentes por médico de família fique dependente de 99% dos portugueses terem médico atribuído.

Administradores Hospitalares saúdam reforço na saúde e novo modelo de financiamento

A Associação dos Administradores Hospitalares saudou esta terça-feira o reforço do orçamento para a saúde e considerou “bastante positivo” o novo modelo de financiamento que está previsto para 11 hospitais públicos.

OE2019: Ministro das Finanças diz que país terá cinco novos hospitais

Na apresentação do Orçamento de Estado de 2019, o ministro das Finanças, Mário Centeno, disse que a “saúde é prioridade” e avançou que, no próximo ano, o país terá cinco novos hospitais.
Comentários