Science4You vai entrar em bolsa para dispersar até 45% do capital

É expectável que o IPO seja constituído por uma componente de aumento de capital e outra de venda de ações de atuais acionistas da empresa, podendo chegar até ao montante total de 15 milhões de euros, o que equivale a uma percentagem de capital a dispersar de até 45% do capital social, explicou a empresa liderada por Pina Martins.

A Science4you, empresa portuguesa dedicada ao desenvolvimento, produção e comercialização de brinquedos, informou esta quinta-feira  que quer lançar uma Oferta Pública de Distribuição (IPO – Initial Public Offer) sobre ações representativas do seu capital social e solicitar a admissão à negociação no sistema de negociação multilateral Euronext Growth.

“Esta operação enquadra-se no âmbito das deliberações tomadas pela Assembleia Geral de acionistas da Science4you, realizada nesta quarta-feira, dia 7 de novembro de 2018, e tem por objetivo dotar a empresa de uma estrutura de financiamento mais diversificada, sobretudo ao nível do seu capital, adequada à continuação da sua expansão e criação de valor para os seus acionistas”, explicou a empresa, em comunicado divulgado no site da CMVM.

“Está previsto que o IPO inclua a emissão de novas ações pela Science4you, em montante de aproximadamente 8,25 milhões de euros, e uma venda parcial de ações já existentes detidas por atuais acionistas da empresa”, explicou. “Assim, é expectável que o IPO seja constituído por uma componente de aumento de capital e outra de venda de ações de atuais acionistas da empresa, podendo chegar até ao montante total de 15 milhões de euros, o que equivale a uma percentagem de capital a dispersar de até 45% do capital social”.

O IPO encontra-se ainda sujeito às aprovações necessárias, designadamente a aprovação do prospeto pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, e a condições de mercado favoráveis, adiantou.

Miguel Pina Martins, presidente e fundador da empresa, salientou que a operação permitirá igualmente “dar maior visibilidade e credibilidade da empresa numa importante fase de internacionalização, constituindo também um marco importante e uma nova etapa da empresa 10 anos após ter sido lançada”.

“A nossa missão é alimentar o sonho e reforçar o conhecimento de milhões de crianças em todo o mundo. Esta operação permitirá continuar esta missão tornando a nossa marca mais forte, reconhecida e capaz de continuar a inovar nesta importante indústria mundial”, reforçou Miguel Pina Martins.

A empresa refere no comunicado que dez anos após a sua criação como startup, é hoje um importante player no mercado de brinquedos em Portugal, com um volume de vendas consolidadas superior a 20 milhões de euros. Entre os seus principais investidores o Millennium Fundo de Capitalização, a Portugal Ventures e o Banco Europeu de Investimento.

A Science4you adiantou que exporta regularmente para mais de 60 países e conta com uma linha de mais de 500 brinquedos científicos e educativos.  Constituída em janeiro de 2008, a empresa nasceu de um projeto académico de Miguel Pina Martins. Financiada por capital de risco e business angels, a Science4you foi criada no âmbito do Programa FINICIA, com um capital social de 55 mil euros, em
que 45 mil constituíram micro capital de risco financiado pela Inovcapital.

A empresa conta neste momento com escritórios em Lisboa e no Porto, e as filiais em Madrid e Londres, situadas respetivamente, no Parque Científico de Madrid e no Knowledge Dock Business Center.

Ler mais

Relacionadas

Vendas da Science4you aumentam 66% em 2017

A empresa portuguesa de brinquedos educativos registou no último ano um volume de vendas de 27 milhões de euros, com mais de 70% proveniente dos mercados internacionais.

Telles assessora Science4You no apoio de 10 milhões de euros do Banco Europeu de Investimento

A empresa foi financiada no âmbito do Plano Juncker e assessorada juridicamente por Márcio Carreira Nobre, Bruno Azevedo Rodrigues e André Magalhães.
Recomendadas

Lay Off: O subsídio de alimentação está incluído na remuneração normal ilíquida?

Rita Garcia Pereira, advogada e mestrada em direito do trabalho, analisou para o “Jornal Económico” algumas das questões mais prementes para os trabalhadores que forem alvo de ‘lay off’.

BPI permite moratória nos créditos não abrangidos por lei do Governo

O banco permite ainda que os clientes com crédito pessoal e ao financiamento automóvel tenham carência de capital de seis meses.

Transportes de mercadorias apelam a mais medidas do Governo para apoio ao setor

A clarificação das linhas de crédito para as empresas transitárias e o pagamento dos direitos junto da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT); a injeção direta de capital nas empresas; e a articulação conjunta para conseguir fazer chegar a Portugal o equipamento médico proveniente de outros países, abrindo, para isso, ligações aéreas em cargueiros ou aviões de passageiros exclusivamente com carga são algumas das medidas reivindicadas pela APAT – Associação dos Transitários de Portugal.
Comentários