“Se as tarifas forem muito elevadas para a Madeira o mercado desaparece”, afirma Fernando Pinto

Para o anterior presidente da TAP referiu que a entrada das low cost trouxeram uma revolução nas tarifas que obrigaram as companhias aéreas a se reestruturar.

Clodagh Kilcoyne/Reuters

O antigo presidente da TAP, Fernando Pinto, afirmou que se as tarifas praticadas para a Madeira estiverem muito altas o mercado desaparece.

Para Fernando Pinto a entrada das low cost trouxe uma revolução nas tarifas que obrigaram as companhias aéreas a se reestruturar para dar resposta a este novo negócio.

“Foi isso que aconteceu com a TAP”, acrescentou.

“Se tivermos preços muitos altos para vir para a Madeira o mercado desaparece. A procura depende do valor da tarifa que vamos ter. Em períodos de grande procura vamos ter prelos mais elevados e isso é natural”, explicou o anterior presidente da TAP.

Fernando Pinto disse ainda que na Madeira “existe protecção e um subsídio que limita” a tarifa.

“É uma protecção para evitar tarifas muito altas”, defendeu.”É preciso ver como se resolve os problemas com o subsídio”, reforçou.

Ler mais
Relacionadas

Presidente da Parpublica diz que TAP tem de satisfazer rota da Madeira se o mercado não a assegurar

Na audição parlamentar que decorreu na Assembleia Legislativa da Madeira, Miguel Cruz referiu que quem gere a TAP é o accionista privado embora tenha ressalvado que em termos de enquadramento estratégico o Estado tem uma palavra a dizer.

Presidente da TAP diz que existe distorção sobre tarifas para a Madeira e que preços médios são de 100 euros

Na audição parlamentar Antonoaldo Neves esclareceu que a Madeira “não é uma rota de serviço público” e que os preços módicos estão relacionados com o estímulo da procura e quem sem isso não se consegue adicionar lugares para a Madeira como a TAP tem feito.
Recomendadas

Ter radioterapia é uma vantagem para a Madeira, diz diretor de ginecologia do SESARAM

O responsável pela ginecologia/obstetrícia disse ainda pensar que Rafael Macedo estaria capacitado para realizar os tais 63 exames de medicina nuclear, durante a comissão de inquérito à unidade de medicina nuclear.

“Fala-se muito num hospital novo, mas as paredes não funcionam sozinhas”, Pedro Costa Neves

O médico refere que o Hospital Doutor Nélio Mendonça tem “problemas de perda de valências e de falta de referências” e que esta é a causa para uma “degradação dos cuidados que presta”.

Madeira vai reabilitar 27 habitações degradadas ao abrigo do programa PRID

O PRID visa conceder apoio a famílias que não têm acesso a crédito bancário de modo a procederem a obras na habitação.
Comentários