“Se está sendo tão criticado, é sinal de que é a pessoa adequada”. Bolsonaro insiste em nomear o filho como embaixador dos EUA

“Por vezes, temos tomado decisões que não agradam a todos, como a possibilidade de indicar para a embaixada um filho meu, tão criticada pelos media. Se está sendo tão criticado, é sinal de que é a pessoa adequada”, disse o Presidente brasileiro, numa sessão solene na câmara baixa parlamentar.

Varela Notícias

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse hoje em Brasília que as críticas que recebeu depois de ter admitido que poderá indicar o filho Eduardo para a embaixada nos Estados Unidos significa que Eduardo Bolsonaro é a escolha certa.

“Por vezes, temos tomado decisões que não agradam a todos, como a possibilidade de indicar para a embaixada um filho meu, tão criticada pelos media. Se está sendo tão criticado, é sinal de que é a pessoa adequada”, disse o Presidente brasileiro, numa sessão solene na câmara baixa parlamentar.

A possibilidade de Eduardo Bolsonaro ser indicado como novo embaixador nos Estados Unidos, país com o qual o Brasil fortaleceu os laços quando Jair Bolsonaro tomou posse como Presidente tornou-se pública na última quinta-feira (11) e vem gerando grande polémica.

Os opositores acusaram o chefe de Estado brasileiro de usar o cargo para favorecer o filho, de modo ilegal.

O Presidente brasileiro, por sua vez, usou as redes sociais na última quinta-feira para defender-se, alegando que a indicação não é sinal de nepotismo.

“É uma coisa que está no meu radar, sim, existe essa possibilidade. Ele [Eduardo Bolsonaro] é amigo dos filhos do [Donald] Trump, fala inglês, fala espanhol, tem vivência muito grande de mundo. No meu entender, poderia ser uma pessoa adequada e daria conta do recado perfeitamente em Washington”, declarou o chefe de Estado, quando questionado por jornalistas acerca dessa eventualidade.

Por seu turno, Eduardo Bolsonaro disse à imprensa brasileira que o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, com quem encontrou-se na sexta-feira, “expressou apoio” a sua eventual nomeação e considerou que os americanos “acolheriam a decisão”.

“Não sou um filho de deputado [Presidente] que do nada está a ser alçado a essa condição. Existe um trabalho sendo feito, sou presidente da Comissão de Relações Exteriores [da Câmara dos Deputados], tenho uma vivência pelo mundo”, declarou Eduardo Bolsonaro.

“Já fiz intercâmbio, já fritei hambúrgueres lá nos EUA (…) Certamente precisaria contar com a ajuda dos colegas do Itamaraty, dos diplomatas, porque vai ser um desafio grande. Mas tem tudo para dar certo”, acrescentou.

A representação do Brasil em Washington não tem embaixador desde abril passado, quando o diplomata Sergio Amaral, no cargo desde 2016, foi transferido para um escritório em São Paulo.

Na ocasião, Bolsonaro disse que havia solicitado a mudança de embaixadores em quinze países devido à má imagem do Brasil no exterior e ao facto dele ser apresentado fora do Brasil como um ditador, racista e homofóbico sem a respectiva defesa dos diplomatas brasileiros.

Ler mais
Recomendadas

Itália à procura de governo: de iniciativa presidencial ou segundo o modelo Ursula?

Matteo Salvini não quer outra coisa que não as eleições antecipadas, mas os seus opositores querem tudo menos isso. O Presidente Sergio Mattarella terá que decidir.

Londres deixa de participar na maior parte das reuniões da União Europeia a 1 de setembro

“Muitas das discussões nestas reuniões com a UE têm a ver com a União depois da saída do Reino Unido. Libertar os representantes dessas reuniões permite que eles concentrem melhor os seus talentos nas prioridades nacionais imediatas”, afirmou Steve Barclay.

“O ideal era que todos saíssem vivos, mas preferimos salvar os reféns”, diz governador do Rio de Janeiro após sequestro

Wilson Witzel parabenizou o trabalho do BOPE e lamentou a morte do sequestrador. Aos jornalistas, o governador do Rio de Janeiro apelou para que “este tipo de atrocidade” não se volte a repetir e anunciou que a família do criminoso terá acompanhamento.
Comentários